Blogs & Colunas | Xico Graziano

Uma espécie de negacionismo - por Xico Graziano


De 2000 a 2020, foram registrados 3 movimentos importantes no Brasil:

  • a população brasileira aumentou 21,6%;
  • a área agrícola do país aumentou 50,1%;
  • a área de vegetação florestal do país diminuiu 7,9%.

Qual o significado dessa dinâmica? O que um fato tem a ver com o outro?

Quem entende de economia sabe que a interpretação de dados depende da visão do estudioso. Seus pressupostos influenciam a análise dos fatos.

Vale para todas as ciências sociais. Daí surgem controvérsias.

Pois bem. Quando, dias atrás, o IBGE divulgou seu estudo "Contas Econômicas Ambientais da Terra", para o período 2000/2020, apontando alterações na ocupação do território brasileiro, alguns jornalistas destacaram a existência de uma "devastação florestal".

Afinal, o território coberto com florestas nativas havia se reduzido em 7,9%, passando de 403,9 milhões de hectares para 371,9 milhões de hectares. A área "perdida", conforme a descreveu Leonardo Vieceli, na Folha de S. Paulo (link para assinantes), é comparável ao território do Maranhão.

A perda, no caso, significou a conversão do território nativo, inculto, em terra produtiva. Quer dizer, expandiu-se a fronteira agrícola do país.

As lavouras agrícolas aumentaram sua área de 45,9 milhões de hectares para 68,9 milhões de hectares. E as pastagens plantadas também cresceram.

Houve perda, ou ganho?

Para auxiliar a resposta do aparente enigma, vale a pena refletir no seguinte: por que os agricultores expandem suas áreas produtivas?

Parece óbvio que nem a agricultura nem tampouco qualquer outra atividade produtiva se desenvolve sem comercializar suas mercadorias.

Pode ser picolé, pente de cabelo, automóveis ou alimentos. Se o mercado puxar, a produção se aquece. Afinal, ninguém produz o que não vende.

Os produtores rurais, portanto, somente ampliaram suas lavouras e suas pastagens naquele período de 2000 a 2020 pelo óbvio motivo de que a demanda alimentar os estimulou a tomarem tal atitude.

Ainda bem que o fizeram com sucesso.

Insensato seria imaginar que a cobertura florestal do país permanecesse a mesma com a população aumentando. E no período considerado, os brasileiros passaram de 174,8 milhões para 212,6 milhões de habitantes.

Há que se considerar, também, o movimento global da civilização. Entre outros fatores, a urbanização da Ásia, liderada pela China, tem, sabidamente, pressionado a demanda alimentar, exigindo maior oferta do agro mundial. O Brasil, notoriamente, se destaca nesse processo.

Por que o Brasil fortalece sua agropecuária?

Pelo fato de os demais grandes países agrícolas terem atingido o limite da ocupação territorial. Entender isso é básico.

A expansão das áreas cultivadas e pastoreadas nos EUA, na Europa, na Austrália, na China, no Canadá, na Nova Zelândia, em todos, repito, em todos eles as terras consideradas agricultáveis foram, há mais de meio século, incorporadas ao processo produtivo.

Por isso acabou, nos países desenvolvidos, o desmatamento. Não ocorreu por pressões ambientais, mas sim por terem sido exauridas as áreas agricultáveis de seus territórios. Sobraram originais apenas as cadeias montanhosas e as áreas desérticas, junto com unidades de conservação.

Ninguém, jamais, considerou tal expansão histórica uma perda, mas sim um tremendo ganho civilizatório.

Por que no Brasil seria diferente?

Uma consideração importante reside no recente avanço tecnológico do agro. Aumentos fantásticos de produtividade por área poderiam dispensar, atualmente, a ocupação de novos territórios ainda cobertos com florestas.

É verdadeiro supor que a variável tecnologia anda "economizando" terra.

Por essa razão, é possível vislumbrar que, logo, o ciclo do desmatamento nacional se encerre. Haverá, tão somente, intensificação produtiva no agro.

Desconsiderar a pegada ecológica leva a grave erro de análise sobre a dinâmica territorial. É querer ver a natureza intocada frente ao incessante aumento populacional.

Uma espécie de negacionismo.

PUBLICIDADE

** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

Postagens mais lidas de Xico Graziano
Últimas postagens de Xico Graziano