Blogs & Colunas | Xico Graziano

A cobiça pelas terras da Ucrânia


A Ucrânia tem o melhor solo agrícola do mundo. Seus agricultores, porém, pouco puderam cultivar a paz. Padecem há tempos a tirania humana. Há 90 anos, cerca de 6 milhões de camponeses faleceram durante a coletivização forçada da economia soviética conduzida por Joseph Stalin. Foi a maior atrocidade cometida pelo comunismo na história. Um genocídio conhecido como "holodomor", quer dizer, morte por inanição.

Bem antes disso, no século 16, os poloneses haviam dominado a Ucrânia, quase escravizando os camponeses locais. Com a ajuda dos cossacos, os ucranianos botaram os poloneses para correr em 1648. Foi quando, por 2 séculos e meio, ocuparam com certa calma suas férteis planícies. Chernozem. Nele reside a cobiça estrangeira sobre a Ucrânia. Essa é a denominação dada ao fecundo solo negro, rico em matéria orgânica e minerais, que se estende por 65% do país. Dominantes em toda a estepe da Eurásia, tais terras ricas cobrem cerca de 230 milhões de hectares no mundo, incluindo regiões do Canadá e nos EUA.

Ali, ao norte dos mares Negro e Cáspio, quando o gelado inverno se vai, vasto território desses solos enegrecidos por húmus se transforma em verdes campos de cultivo. Em decorrência dessa dádiva natural, Rússia, Ucrânia e Cazaquistão -bloco conhecido como RUK- são cada vez mais fortes no mercado global de alimentos.

Maior produtor mundial de girassol, a Ucrânia se destaca na produção mundial de milho, batata, trigo, cevada, aveia, repolho, abóbora, beterraba, além de todo tipo de frutas e hortaliças. Além de leite e carnes. Em 2021, bateu recorde na produção de grãos, com 75 milhões de toneladas -para comparação, o Brasil produziu 253 milhões de toneladas; a Argentina, 127 milhões.

Pouco se diz, mas, por detrás dessa estúpida guerra, se esconde o interesse russo por voltar a dominar, de alguma forma, esse enorme potencial de produção alimentar da Ucrânia. Agora, porém, surgiu novo interesse.

Prestem atenção no que vou dizer: com o progressivo aquecimento planetário, grandes territórios de terras férteis, porém congeladas durante quase todo o ano, terão alargada sua janela de produção rural. Começarão, portanto, a permitir o cultivo anual.

Há suposições de que 100 milhões de hectares de solo chernozem -40% a mais que toda a área cultivada no Brasil- poderão ser incorporados ao agro da Rússia. Tal acréscimo de territórios produtivos elevaria substancialmente o poderio alimentar, reforçando a estratégia política dominadora de Putin.

Esse cenário, de médio prazo, configura uma grande ameaça à agricultura brasileira. Afinal, a Rússia fica bem próxima, geográfica e ideologicamente, da China. Toda a Ásia, onde se encontram nossos principais compradores de grãos e carnes, pode estar interessada em alterar sua logística de abastecimento alimentar.

O agro brasileiro está muito preocupado com o estrangulamento na oferta de fertilizantes. Faz sentido, no curto prazo. Primeiro, porque grandes reservas minerais de potássio (K), existentes principalmente em Belarus, necessitam de territórios sob disputa na guerra para escoar tal riqueza rumo ao Brasil e outras nações. O bloqueio dos portos, se ocorrer, será muito danoso para o cultivo da próxima safra brasileira.

Segundo, porque na Rússia, a fartura de gás natural, de origem fóssil, favorece a fabricação barata de amônia (NH3), que é a base sintética dos principais adubos nitrogenados (ureia e nitrato de amônia). Existem vários outros fornecedores mundiais de nitrogenados, mas os preços subiram às alturas.

Juro, porém, que meu cabelo arrepiou mesmo quando vi, ambos sorridentes, Putin conversando com Xi Jinping. Tremo em imaginar os dois gigantes países combinando, sei lá como, a exploração futura dos ricos e negros solos chernozem, descongelados pelas mudanças climáticas que, aqui no Brasil, podem complicar a vida do campo.

Como se percebe, ao contrário daquilo que o catastrofismo ecológico banal apregoa, a elevação da temperatura média do planeta não representa uma ameaça à civilização. O fenômeno poderá, isso sim, afetar profundamente o equilíbrio -espacial e socioeconômico- na população humana na Terra.

Regiões tropicais voltarão a ser cobertas por florestas, e terão seus povos dependentes de países de clima temperado?

Ou conseguiremos frear as mudanças de clima e fazer a adaptação necessária para manter, quiçá avançar, nossa incrível e produtiva agropecuária?

Enquanto as respostas não veem, resta gritar: chega de guerra. Viva a soberania da Ucrânia.

















PUBLICIDADE

** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

Postagens mais lidas de Xico Graziano
Últimas postagens de Xico Graziano