Xico Graziano

Amazônia não virará uma savana rala, diz Xico Graziano

11/02/2020 15h20

O futuro da Amazônia voltou à baila após uma inusitada entrevista da cineasta Petra Costa. Na ânsia de atacar o governo Bolsonaro, ela disse que "a savanização da floresta pode ocorrer a qualquer momento". De onde ela tirou isso?

Savana é um bioma típico de climas secos, onde predominam gramíneas e arbustos. Mais conhecidas na África, permanecem a maior parte do ano sem chuvas, para depois serem inundadas por enchentes. Na fauna, encontram-se elefantes, zebras e girafas, tendo leões e guepardos como grandes predadores. Como se vê na televisão.

No Brasil, o cerrado se assemelha às savanas. Bioma típico do Centro-Oeste, conhecido pelas árvores retorcidas, casca grossa, vegetadas em solos ácidos e arenosos, recebe bastante chuva entre novembro e abril, para ficar seco nos 6 meses seguintes. Tornou-se a grande fronteira agrícola do país nos últimos 40 anos.

A hipótese de que a Amazônia pode virar uma savana surgiu há 30 anos, patrocinada por Carlos Nobre, climatologista do INPE. Líder da teoria do aquecimento global no Brasil, ele acredita que, se o aquecimento na região ultrapassar 4°C e o desmatamento atingir 25%, na região amazônica como um todo, a savanização se tornará irreversível, num prazo de 20 a 50 anos. Grandes árvores cederiam lugar aos arbustos. Os rios, nesse cenário, também reduziriam a vazão.

Inexiste consenso científico sobre a hipótese de savanização da Amazônia causada pela ação humana. Quem conhece esse assunto sabe que, desde o princípio, o renomado geógrafo Aziz Ab-Sáber questionava sua formulação. Falecido em 2012, o professor emérito da USP dizia que as correntes marítimas e o nível dos mares foram variáveis desprezadas pelo IPCC (Painel Intergovernamental das Mudanças de Clima).

Segundo Aziz Ab-Sáber, o planeta começou, há cerca de 12 mil anos, uma transição para climas mais quentes, inaugurando um processo que ele denominou de uma "retropicalização". O degelo elevou o nível dos mares e correntes de ar estenderam as florestas do litoral para o interior.

Quando os continentes da América do Sul e da África ainda estavam unidos, inexistia a floresta amazônica. Há 20 milhões de anos a região possuía clima árido. Nessa época o mar nela adentrou. Há 27 mil anos se formou a bacia amazônica. Depois, devido às fortes e constantes precipitações, surgiu a floresta alta e densa. Isso aconteceu há 6 mil anos.

O professor Aziz acabou, de certo modo, desprezado pelos cientistas que se alinharam à hipótese do aquecimento global. Hoje seria rotulado como "cético". Assim como outros pesquisadores que julgam inexistir evidências sobre a savanização da Amazônia. Funciona uma espécie de "ditadura" do pensamento nessas questões.

Para entender melhor a ocupação humana na região Norte, há que se considerar que existem duas Amazônias no Brasil: a) uma, delimitada pelo bioma Amazônia, cobrindo 4,2 milhões de km², 49,4% do território brasileiro; b) outra, a Amazônia Legal, com 5,2 milhões de Km², definida politicamente, na época do regime militar.

Percebam que a Amazônia Legal é 20% maior que o bioma Amazônia. De onde vem a diferença? Do fato que a Amazônia Legal inclui grandes áreas de cerrado, como aquelas existentes em Rondonópolis e Sinop (Mato Grosso), Balsas (Maranhão) e Palmas (Tocantins).

Grande parte da exploração da Amazônia brasileira ocorre fora do bioma Amazônia. Neste, a preservação do território original é de 86,2%, sendo 2,1% de áreas alagadas. Conclusão: em 500 anos de ocupação, o Brasil explorou 13,8% da floresta amazônica, dos quais 12,8% se encontram na agropecuária.

Todos concordamos com a necessidade de barrar o desmatamento da Amazônia. Mais uma década o conseguiremos. Não é certo, portanto, que o fim da hileia esteja próximo. Muito menos provável que a selva densa virará uma savana rala.

A Amazônia continuará viva. Por mais que teimem os catastrofistas ecológicos e bradem os cineastas especialistas em deformar a história.

Leia outros artigos de Xico Graziano