Laís Laíny

Papo Reto: para limpar nome, Unioeste corta adicional de 55%

18/02/2020 09h11

Os agentes universitários da Unioeste que exercem cargos em comissão não receberão o Tide (Tempo Integral de Dedicação Exclusiva). Um incremento no salário para o servidor que tivesse vínculo somente com a universidade mas que foi considerado irregular pelo Tribunal de Contas.

Um corte de 55% nos salários de um universo próximo dos 600 cargos.

A informação foi dada na segunda-feira (17) pelo reitor da Unioeste, Alexandre Webber, que participou ao vivo do Programa Papo Reto, do Portal Catve.

"A Unioeste foi notificada para suspender o pagamento até que haja uma regulamentação. Eu já encaminhei aos Recursos Humanos".

Como a folha de pagamento de março já está fechada, o corte ficará, na prática, para o mês de abril.

CERTIDÃO NEGATIVA

Webber destacou na entrevista que a suspensão desse passamento é uma medida necessária para que a Unioeste consiga a certidão negativa e consiga retomar, por exemplo, o repasse de bolsas de pesquisa da Fundação Araucária.

"Devido a não suspensão do Tide, a Unioeste perdeu a certidão negativa e foram suspensos repasses da Fundação Araucária".

Um prejuízo que custou R$ 800 mil ano passado que a Unioeste teve de bancar com recursos próprios para que os bolsistas não fossem prejudicados.

CARGOS

O reitor também entrou na polêmica dos cargos comissionados.

Um projeto tramita na Assembleia Legislativa reajustando todos os cargos das universidades e contempla a Unioeste com 417 cargos, sendo 65 para o Hospital Universitário. A maioria deles é destinado a servidores de carreira.

Webber adianta que tem um acordo com a Secretária de Ciência Tecnologia e Ensino Superior para aumentar o número para 470 nomeados, incluindo 75 para o hospital. Soma-s a este outras 97 funções gratificadas para os coordenadores de curso.

A propostas está em trâmite na Assembleia Legislativa.

RELAÇÕES COM O PAÇO MUNICIPAL

Ainda ontem, Webber teve uma reunião com o prefeito, Leonaldo Paranhos.

Na pauta, uma "troca de cargos". Webber foi pedir a cessão de Wilson Dalmina, que é médico do Município, para que ele se dedique exclusivamente a direção-clínica do HUOP.

A Unioeste também pediu para usar os totens do Município para divulgação da universidade.

E ainda, foi encaminhada uma proposta de parceria para que exames da Prefeitura de Cascavel sejam feitos no Hospital Universitário.

Leia outros artigos de Laís Laíny