Ponta Grossa

Vídeo mostra momento de ocupação na UEPG

Cerca de 50 estudantes quebram as portas da reitoria e pediram que funcionários deixassem o local

20/10/2016 08h25 | Atualizado em 20/10/2016 08h25
Nas imagens, é possível ver o momento que estudantes ocupam o prédio da Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa na manhã desta quarta-feira (19).

Por volta das 11 horas, cerca de 50 estudantes forçaram as portas e entram no prédio da reitoria.
Eles pediram que os funcionários deixassem o local e ocuparam todo o prédio.

Os estudantes protestam contra a reforma do ensino médio, proposta através da a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 746, entre outras demandas.

Por causa da ocupação, a administração da universidade divulgou uma nota informando que todas as atividades administrativas das pró-reitorias e órgãos suplementares lotados no prédio da Reitoria ficam impedidas de serem realizadas.

A UEPG tem mais de sete mil alunos. Por causa das ocupações, a instituição chegou a adiar o Vestibular de Ensino a Distância (EaD) 2016 ? uma vez que alguns dos locais de prova foram afetados pelo protesto. Segundo o movimento Ocupa Paraná, cerca de 800 escolas, doze universidades e três núcleos estão ocupados nesta quinta-feira (20).

Resposta
A Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) informou que está acompanhando a ocupação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e lamenta a forma como aconteceu.

Segundo a secretaria, além dos estudantes, "algumas pessoas estranhas à comunidade universitária, usando de violência e sem prévia proposta de negociação" tomaram o prédio.
A Seti informou, também, que respeita o direito de livre manifestação ?pacífica e ordeira?, mas repudia atos de violência, constrangimento e depredação do patrimônio público.

?É importante destacar que tanto a Secretaria quanto os reitores das universidades estaduais, sempre estiveram abertos ao diálogo para resolver as questões ligadas às instituições e orienta que os estudantes desocupem a universidade para que não haja mais prejuízos às atividades acadêmicas e pedagógicas?.

Portal Paraná e aRede