Comissão de Ética da CBF reconhece assédio e aumenta punição de Rogério Caboclo

Presidente da entidade ficará afastado por 21 meses. Ainda há outras denúncias sendo apuradas na Comissão

20 de setembro de 2021 | 19h08 | Atualizado há 28 dias

Foto: Reprodução/CBF
PUBLICIDADE
A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) alterou, nesta segunda-feira (20) a punição para Rogério Caboclo após as denúncias de assédio moral e sexual contra uma funcionária. A pena foi aumentada para 21 meses de afastamento, já descontado o período de três meses em que ele está fora.

Além disso, a Comissão de Ética concluiu agora que o dirigente violou o artigo do Código de Ética que trata de "assédio, de qualquer natureza, inclusive moral ou sexual".


Inicialmente, Caboclo foi afastado por 15 meses por "atitude inapropriada". A decisão não atendeu as expectativas de presidentes de Federação e nem da defesa, que contestou a primeira decisão.

A Comissão de Ética também concluiu que Caboclo usou indevidamente recursos da CBF para comprar bebidas alcoólicas para consumo pessoal.

Para as mudanças serem efetivadas, a Assembleia Geral, composta pelas 27 federações estaduais, deve aprovar a nova decisão. Uma reunião deverá ser marcada na próxima semana para debater esse assunto.

Caso a nova decisão seja aprovada, Caboclo só poderia voltar para a presidência da CBF em março de 2023, apenas um mês antes do fim do seu mandato. Vale lembrar que há outras denúncias contra o dirigente que estão sendo investigadas na Comissão de Ética. Em caso de novas punições, ele não voltaria para a entidade.
TV Cultura
** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

VEJA TAMBÉM

<