Sumiço de casal de Goioerê completa 150 dias e corpos não foram localizados

Polícia Civil segue à procura de novas pistas; família pede ajuda com informações

23 de dezembro de 2020 | 10h31 | Atualizado há 274 dias

Foto: Arquivo Redes Sociais
PUBLICIDADE
O desaparecimento de Kawane Cleve e Rubens Biguetti completa nesta quarta-feira (23) 150 dias e até o momento não há informações sobre os corpos ou novas pistas que possam auxiliar à Polícia Civil a elucidar o caso.

O inquérito policial foi concluído no dia 6 de novembro e enviado ao Ministério Público. O material apresenta a execução e ocultação dos cadáveres. A investigação aponta que logo após a morte do casal, os criminosos ocultaram os cadáveres e atearam fogo no veículo das vítimas, a fim de dificultar a investigação policial.

A falta de pistas para identificar onde os corpos foram enterrados deixa as famílias ainda mais desesperada. Segundo a Mãe de Kawane Cleve em entrevista - quatro dias após a conclusão do inquérito, ela revela que a filha chegou a ser estuprada e mutilada, antes de ser assassinada.

Kawane e o marido Rubens desapareceram no dia 3 de agosto, em Goioerê - Noroeste do Paraná, e desde então não há informações concretas de onde os dois possam estar. A investigação apontou que o duplo homicídio aconteceu por vingança por parte de vizinhos envolvidos com tráfico de drogas.

A Polícia indiciou cinco pessoas e prendeu quatro por envolvimento nas mortes, entre eles a vizinha do casal, apontada como a mandante do crime.

Na época do desaparecimento, a Polícia Civil com ajuda da Polícia Militar e cães farejadores fizeram varredura em área de mata de três município - Goioerê, Mariluz e Moreira Salles, mas nenhum vestígio foi localizado que indicasse que as mortes aconteceram naquele local.

Léia, que há mais de 90 dias procura pela filha, revela que deseja enterrá-la. "Minha filha foi estuprada, teve a língua e o braço cortados, uma das prósteses arrancadas. Ela estava grávida, meu Deus", suplica por informações. (Trecho da entrevista de 10 de novembro).

Denúncias devem ser repassadas à Polícia Civil pelo telefone 190 e 197 de forma anônima e gratuita.

Redação Catve.com
** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

NOTÍCIAS RELACIONADAS


VEJA TAMBÉM

<