Blogs & Colunas | Xico Graziano

A globalização da tilápia


ilé de peixe, carne branca, zero espinho. A deliciosa tilápia brasileira conquistou o prato norte-americano. É sensacional.

Segundo relatório (íntegra - 12MB) conjunto da Embrapa com a Associação Brasileira de Piscicultura, as exportações nacionais de peixe cresceram 14% no 1º semestre de 2022. Para o mercado dos EUA se direcionaram 63% das vendas externas.

Quem pensa que o Brasil exporta só tradicionais commodities rurais, como café, açúcar e soja, se equivoca. Crescentemente, graças às inovações tecnológicas, o agro brasileiro manifesta sua força produzindo e processando alimentos nobres.

Desde 2014, a piscicultura no Brasil tem crescido cerca de 5,6% ao ano. A atividade reúne 1 milhão de produtores. São fazendas de peixe. Só em 2021 foram produzidas 841 mil toneladas de peixes de cultivo (tilápia, peixes nativos e outras espécies).

A tilápia correspondeu a 63,5% da produção de peixes de cultivo no país. Lideram o ranking da produção nacional: Paraná (182 mil toneladas), São Paulo (76.000 toneladas) e Minas Gerais (47.000 toneladas). Entre os peixes nativos, destaca-se o tambaqui, produzido principalmente no Norte.

A tilápia é um peixe globalizado. O maior produtor mundial é a China, com 31,7% do total, seguida pela Indonésia e, em 3º, o Egito, ficando o Brasil em 4º lugar. A produção total de tilápia soma 6,25 milhões de toneladas (2021). É muito peixe.

O último relatório (íntegra - 26MB) da FAO/ONU sobre pesca e aquicultura, indica que a produção de organismos aquáticos praticamente já empatou com a pesca de captura. Das 178 milhões de toneladas produzidas (2020), a aquicultura contribuiu com 88 milhões de toneladas (49%).

Significa que a civilização virou a página na exploração natural dos oceanos e das águas interiores. A partir de agora, vai mandar a produção sustentável de pescado.

Quais razões provocaram essa mudança histórica? O aumento da população humana fez crescer a demanda, e a pesca começou a alterar o equilíbrio reprodutivo das espécies marinhas e de água doce. A pressão de consumo, frente à limitação dos estoques futuros, resultou na sobrepesca.

Os ambientes naturais começaram a ser devastados. Veio a escassez da oferta de pescado. Os preços de mercado subiram, estimulando a produção confinada. Criatórios substituíram a captura de cardumes naturais. Daí surgiu a aquicultura, criando o salmão de cativeiro, depois a truta, o camarão, as ostras, o mexilhão, o black bass, o pangasius, o linguado, o polvo, o tambaqui, algas, entre tantos. E a tilápia.

Nada daria certo, e o mundo estaria faminto de peixes e demais organismos aquáticos, se não fosse o avanço tecnológico. Cientistas produziram novos conhecimentos, que os pesquisadores tiraram dos laboratórios e levaram à prática.

Reprodução estimulada, sexagem, alimentação, melhoramento genético, padronização, frigorificação. Surgiu assim a aquicultura comercial.

Quem é da roça se lembra: você ia pescar lambari e xingava quando fisgava aquele peixinho de costa espinhenta, sem nenhuma carne, que lhe feria as mãos ao ser tirada do anzol. Era a tilapinha, não servia para nada.

Hoje, fruto da ciência e da tecnologia, a tilápia, e sua prima vermelha, a mutante saint peter, viraram a sensação da piscicultura brasileira.

Um belo capítulo da história da alimentação humana.















PUBLICIDADE

** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

Postagens mais lidas de Xico Graziano
Últimas postagens de Xico Graziano