Xico Graziano

O legado ecológico de Ana Primavesi, por Xico Graziano

Agrônoma estudou o solo brasileiro e viveu até os 99 anos deixando legado

09/01/2020 09h26

Manejo ecológico do solo. Esse é o título de um dos mais importantes livros da agronomia nacional. Sua autora, a engenheira agrônoma Ana Maria Primavesi, morreu neste domingo (5.jan.2020), aos 99 anos. Deixou um legado extraordinário.

Nascida na Áustria, Ana Primavesi chegou ao Brasil em 1949. Doutora em nutrição de plantas, interessou-se pelo estudo das características típicas dos nossos solos. Foi uma das pioneiras da tropicalização de agricultura brasileira.

Ana Primavesi chocou, e encantou, toda uma geração de agrônomos ao questionar as práticas agrícolas que, desenvolvidas para a agricultura dos países europeus e aqui aplicadas, promoviam o revolvimento do solo. "Está tudo errado", dizia ela.

Referia-se ela ao fato de que, expondo suas camadas inferiores através de profundas arações, o solo tropical perde sua biomassa e, ao contrário do que ocorre no Velho Continente, se empobrece. A erosão, provocada pelas chuvas torrenciais, e a forte insolação, afetam a vida biológica do solo.

Há um interessante mito histórico nesse assunto. Desde aquela famosa carta de Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal, criou-se uma falsa ideia de que os solos brasileiros são muito férteis. Na verdade, solos tropicais são mais ácidos, menos estruturados e mais arenosos que solos de regiões temperadas (1).

Curiosamente a famosa frase "aqui em se plantando tudo dá" jamais foi escrita. O escrivão do Rei destacou sobretudo a riqueza dos recursos hídricos brasileiros: "dar-se-á nela tudo, por bem das águas que tem" (2). Prevaleceu, porém, a versão equivocada.

Algumas manchas do território paulista ou paranaense "as famosas terras roxas" apresentam realmente solos muito ricos, semelhantes aos de países temperados. Entretanto, eles escondem um segredo, guardado debaixo da floresta original: o elevado teor de matéria orgânica.

"Terra gorda" era como os antepassados descreviam esses solos ricos escondidos pela Mata Atlântica. Durante a expansão da cafeicultura paulista, por exemplo, as plantações vicejavam espetacularmente. Mas, aos poucos, os agricultores foram descobrindo, essa boa fertilidade inicial ia se exaurindo.

Ana Maria Primavesi apontou de forma contundente o perigo que rondava a fertilidade dos solos brasileiros. Propunha um manejo produtivo diferente daquele realizado nas regiões temperadas, visando a manter a vida microbiana associada ao humus. Manter os fatores biológicos do solo é fundamental para garantir a produtividade das lavouras.

Adepta da agricultura orgânica, Ana Primavesi se esmerava em dar fundamento às suas teorias. Produtora rural no município de Itaí (SP), sujava a botina de barro para ensinar, cheia de alegria, que a agronomia deveria se casar com a ecologia.

Um exemplo de vida.

Leia outros artigos de Xico Graziano