Xico Graziano

Quem tem medo de General? - por Xico Graziano

23/01/2019 10h43

Com a primeira viagem de Jair Bolsonaro ao exterior, assumiu o comando do país o general Hamilton Mourão. Os militares voltaram ao poder. Pelo voto. Quem diria.

Nascido em Porto Alegre, mas descendente de amazônicos, o general Mourão, 65 anos, ingressou no Exército em 1972, cravando longa história nas Forças Armadas. Passou para a reserva há menos de 1 ano. E começou nova história, agora na política nacional.

Não se trata, propriamente, de um neófito. Embora estreante na vida partidária, o General Mourão sempre cultivou certo gosto pela política. Tornou-se conhecido nacionalmente ao criticar a bagunça do governo Dilma. Foi, por esta razão, perseguido.

Era outubro de 2015. Mourão fazia um discurso dirigido a oficiais, quando, ao tratar da crise política, falou mais alto: "é preciso despertar para a luta patriótica". Verde e amarelo contra o vermelho. Virou notícia nacional.

Quando Michel Temer caiu naquela armadilha do gravador, escandalizando a nação, o general Mourão apareceu novamente, esbravejando contra a corrupção. Dentro de uma Loja Maçônica, em Brasília, disse que se o Judiciário não resolvesse o problema, ?nós teremos que impor isso?. Golpe militar?

Meu ponto é esse: os militares, agora no poder, representam uma ameaça à democracia brasileira?

Nada está, felizmente, indicando isso. Pelo contrário. Face à degradação moral da nossa democracia, vemos generais defendendo valores que haviam desaparecido da política.

Ao invés de conspirarem nos quartéis, tramando golpes, os generais participam ativa e abertamente do jogo democrático. Disputam cargos no Ministério. Isso é sensacional.

A República está em alta com os militares. A situação é inusitada especialmente para aquela geração, como a minha, que viveu o período ditatorial, e se acostumou a tratar militar como brucutu.

Naquela época, os militares eram sinônimos de autoritarismo, repressão, tortura. Hoje os militares são sinônimos de inteligência, sensatez, honestidade. Uma mudança e tanto.

Eu conheci um general extraordinário, Alberto Cardoso, nomeado chefe da Casa Militar de Fernando Henrique Cardoso. Trabalhando perto dele modifiquei totalmente minha visão sobre os militares e sua inserção na democracia. Sereno, culto, sua perspicácia era notável.

Noutro dia, participei de um evento organizado pelo PRTB, o partido de Mourão, na capital paulista. O general era a estrela da festa. Impressionou sua postura cordial, indo de mesa em mesa cumprimentar os convidados. Ao discursar, mostrou boa formação política. Impressiona.

Ninguém chega ao posto de general ?ou aos equivalentes hierárquicos nas demais Forças Armadas? sem uma carreira brilhante. No passado, premiados generais eram os audazes combatentes de guerra, duros na queda, brutos no trato.

Isso mudou. Normalmente agora se promovem os melhores alunos da classe, estudados na filosofia misturada com a engenharia. Mais. Todos servem um período no exterior, conhecem o mundo, dominam língua estrangeira. Preparadíssimos.

Para ser franco, os militares que assumiram o poder, democraticamente, parecem ser bem mais competentes que a maioria desses políticos fajutos que governam por aí. Ou não?

Certamente lhes falta o traquejo da política. Mas, convenhamos, nesse ponto, Jair Bolsonaro nada de braçada. Os generais garantem gestão responsável, o presidente-militar assegura experiência parlamentar.

Essa combinação, temperada pelo carisma de Sérgio Moro e a inteligência de Paulo Guedes, o levou a brilhar em Davos. Esse amálgama entre os militares e a política anima a economia brasileira.

Claro que tudo, ainda, é preliminar. O governo mal começou, o Congresso nem tomou posse. Muita água vai ainda passar debaixo dessa ponte.

Mas uma coisa é certa: o Brasil passou a valorizar mais seus militares, quadros talentosos que ficavam desperdiçados, esquecidos, ao passarem para a reserva.

Que os generais nos ajudem a encontrar a rota perdida do futuro.

Leia outros artigos de Xico Graziano