Caracas

Os obstáculos no caminho de Guaidó para destituir Maduro na Venezuela

13/04/2019 Profundidade
legenda
(Março) Guaidó discursa para apoiadores de dentro de um caminhão, em Caracas

Fechamento de hotéis onde se hospeda, prisão de colaboradores, confisco de equipamentos de som usados em seus atos: o governo não para de criar obstáculos para o venezuelano Juan Guaidó, que ameaça retirar o presidente Nicolás Maduro do poder.

De palcos pomposos que ocupavam avenidas principais, ele passou a discursar do alto de pequenos caminhões. "Acabaram os grandes palcos e mobilizações", comentou um colaborador de Guaidó, reconhecido como presidente interino da nação por mais de 50 países depois que o parlamento, de maioria opositora, declarou a "usurpação" do cargo de Maduro.

Para o opositor, complicou-se a logística de suas aparições públicas, paralelamente a medidas como a sua inabilitação para ocupar cargos públicos e a suspensão de sua imunidade parlamentar, que, segundo ele, buscam neutralizá-lo.

O episódio mais recente foi o lançamento da "operação liberdade", como chama uma mobilização em massa com a qual pretende chegar ao palácio presidencial de Miraflores. "Sequestraram nosso som pensando que iriam nos intimidar. Fizeram circular guardas e motos, achando que iriam nos meter medo. Isso acabou!", bradou para apoiadores.

No dia seguinte, a ONG Foro Penal confirmou a prisão do motorista de um caminhão e três técnicos, libertados pouco depois com medidas cautelares, acusados de obstrução de vias públicas, perturbação da ordem pública e associação para delinquir.

"Isso causou medo e temos tido problemas para conseguir ajuda. Guaidó tenta evitar que se ponha em risco a segurança de seus colaboradores", assinalou a fonte, que solicitou anonimato.

Fatos semelhantes obrigaram sua equipe a mudar os planos envolvendo a marcha, e a improvisar soluções. Agora é comum, por exemplo, ver Guaidó discursar com um megafone. Em certas ocasiões, foram chavistas que o atrapalharam, com vaias ou bloqueando a sua presença em bairros populares, como Petare e El Valle, em Caracas.

O órgão tributário venezuelano, Seniat, fechou um hotel conhecido de Caracas em que Guaidó de hospedou a partir de 7 de março, quando um apagão em massa paralisou o país. No local, o opositor realizava reuniões e organizava a sua agenda. Os hóspedes foram removidos por causa da sanção, que levou ao fechamento do hotel por 27 dias.

O número dois do governismo e presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, negou que a medida estivesse relacionada à presença de Guaidó. "Ele foi fechado porque não tinha livros de contabilidade, RIF (registro fiscal), nem nada parecido. O Seniat chegou como entra em qualquer hotel. O fechamento se deu porque não tem documentação de nenhuma natureza", justificou Cabello.

Ao inabilitar Guaidó por não declarar seu patrimônio, nem a origem do seu dinheiro, o controlador geral da Venezuela havia ordenado a fiscalização das contas de todos os hotéis do país onde o opositor havia se hospedado.

A sombra da prisão paira sobre Guaidó, um engenheiro de 35 anos, desde que a Constituinte autorizou o Superior Tribunal de Justiça, acusado de servir a Maduro, a julgá-lo por "usurpar" funções presidenciais.

A prisão de Guaidó poderia desencadear uma reação dura dos Estados Unidos, país que é seu aliado mais fervoroso, ou uma resposta popular imprevisível.

Cabello insiste em que se deve dar tempo à Justiça para fazer seu trabalho contra o chefe do parlamento. "Às vezes a lei demora, mas, neste caso, irá chegar. Não nos desesperemos, aos poucos se chega longe", assinalou.