Procon de Toledo alerta consumidores contra fraudes na Black Friday

Vários fatores devem ser levados em conta antes de finalizar a compra

26 de novembro de 2020 | 17h42 | Atualizado há 55 dias

Foto: Assessoria Toledo
PUBLICIDADE
Expressão criada nos Estados Unidos para caracterizar a sexta-feira após ao Dia de Ação de Graças (celebrada na última quinta-feira de novembro), a "Black Friday" é uma ação promocional que vem sendo realizada desde a década de 1990 em todo o mundo e ganhou força em nosso país nos últimos anos. É a ocasião em que milhares de lojas físicas e digitais de vários setores vendem produtos com preços e condições mais vantajosos do que os oferecidos no restante do ano.

Por detrás de tantos clientes dispostos a gastar, com alguns até economizando dinheiro o ano todo esperando a Black Friday, há um caminho aberto para os mais variados tipos de golpes e fraudes. Por isso, o Núcleo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/Toledo) orienta prudência e atenção aos clientes que desejam comprar aquele item que tanto querem.

O coordenador do órgão, Welington José de Oliveira, observa que os consumidores precisam levar em conta vários fatores antes de fechar negócio, levando em conta sempre as especificidades de cada tipo de estabelecimento. Nas lojas físicas, por exemplo, deve-se evitar, em razão da pandemia do novo coronavírus, ir acompanhado e com uma lista de produtos definida. "Depois de um exame de consciência em que o cliente avalia se realmente precisa daquele item e se ele cabe no orçamento, é importante ele ver as ofertas no site e nas redes sociais daquele estabelecimento para sair de casa com mais certeza da compra", pontua "Se a intenção desta compra for presentear alguém, é importante já combinar a questão relacionada à troca, pois esta não é uma obrigação legal do fornecedor. Se ele concordar em fazer, é importante que esta garantia conste na nota fiscal", orienta.

Welington observa que o Código de Defesa do Consumidor assegura um prazo de sete dias para o cliente se arrepender de aquisições feitas por meios não presenciais. "Este "Direito ao Arrependimento" existe porque, neste caso, o cliente não está com o produto na frente. Por isso mesmo, o cliente deve prestar atenção a alguns detalhes, como a idoneidade do site pelo qual a operação está sendo realizada", salienta. "Além do necessário exame de consciência sobre necessidade e possibilidade de fazer esta compra, deve-se sempre desconfiar de páginas que oferecem produtos com valor bem abaixo da média do mercado, Tem que desconfiar, pesquisar o site na internet, ver se ele tem CNPJ, telefone de atendimento e outras informações. Se não tiver, é melhor fechar a janela e desistir da compra, pois é golpe e a dor de cabeça que isso causa, com as tentativas de reaver um dinheiro investido em um produto que não vai chegar, é muito maior que a suposta economia que estava buscando", compara.

O coordenador do Procon/Toledo alerta também sobre alguns detalhes durante o processo de compra. "Muitas vezes o consumidor se sente atraído por um anúncio, realiza o passo a passo, e no momento de efetuar a aquisição, ele nota que o preço ficou maior. Neste caso, é bom começar a operação do começo e capturar as telas ou até filmar cada etapa para posteriormente reclamar nos canais de atendimento do fornecedor e, se não for atendido, no site www.consumidor.gov.br ou com a nossa equipe", explica. "Se o pagamento for por boleto, deve-se prestar atenção se as informações na tela coincidem com as que estão no papel, prestando atenção em informações sobre o emissor do documento, se ele vai para a mesma pessoa jurídica que detém o site", adverte.

Para impedir situações típicas de "Black Fraude", que "vende tudo pela metade do dobro", Welington recomenda que os consumidores acessem sites que façam comparação e apresentem o histórico do preço nos dias anteriores. "Para poupar tempo e não se sentir enganado, é importante recorrer a estas páginas para o cliente saber o tamanho da vantagem que ele está tendo em comprar na Black Friday. Se no geral nunca é bom comprar por impulso ou no primeiro lugar que o cliente visita, isso vale ainda mais em aquisições pela internet feitas nesta época", destaca.

O Procon/Toledo tem sede localizada na Rua General Estilac Leal, 1529 e atende ao público das 8h30 às 11h e das 13h30 às 16h. Dois números telefônicos estão a disposição dos consumidores do município: (45) 3277-7575 e 99973-6854 (que também recebe mensagens via WhatsApp).
Assessoria
** Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal CATVE.com pelo WhatsApp (45) 99982-0352 ou entre em contato pelo (45) 3301-2642

VEJA TAMBÉM