Luiz Aparecido

Ginetta G55 dá show e fatura as 1000 Milhas do Brasil

18/02/2020 09h11


O Ginetta G55 pilotado por Esio Vichiese, Renan Guerra e Stuart Turvey venceu domingo (16) a 1000 Milhas do Brasil, prova disputada no Autódromo de Interlagos, em São Paulo (SP). O trio se revezou na liderança com a tripulação do Mercedes AMG GT4 até a nona hora, quando o carro da marca alemã precisou reparar os freios, perdendo tempo e abrindo caminho para o triunfo do time do modelo inglês.

Os vencedores tomaram a liderança da prova pela primeira vez ainda na primeira hora, se aproveitando de um problema na pressão de óleo do protótipo MCR Tubarão que largou da pole position. A partir daí, Vichiese, Guerra e Turvey entraram em duelo particular com Leandro Ferrari, Flávio Abrunhoza, Marcelo Brisac e Renato Braga, pilotos da Mercedes. Os dois carros se revezaram na liderança, mas o Ginetta se sobressaiu, mesmo sofrendo um princípio de incêndio na parada nos boxes na nona volta.

"Com nove horas de prova nós estávamos na mesma volta e trocando posições. Pena que eles tiveram problemas nos freios. Nossa pastilha terminou a corrida bem no limite. Foi uma prova de fogo, pois em nenhum momento nós tivemos condições de poupar e levar o carro para casa. A gente teve que forçar o equipamento para conseguir o resultado", disse Guerra, piloto que mais andou na Ginetta ao longo das 11 horas de prova.

O único acidente da 1000 Milhas do Brasil aconteceu de madrugada, com cerca de uma hora e meia de prova. O Astra V8 de Ricardo Rodrigues, Marcos Cassoli, Walter Barajas e Ricardo Domenech bateu de leve, mas a pancada foi suficiente para causar a quebra de uma roda e impedir o carro de continuar na prova. Os demais abandonos foram todos causados por falhas mecânicas, a maior parte panes no motor.

Confira o resultado final da 1000 Milhas do Brasil:
1º) Esio Vichiese, Renan Guerra e Stuart Turvey (Ginetta G55) - 360 voltas em 11h01m00s312
2º) Leandro Ferrari, Flávio Abrunhoza, Marcelo Brisac e Renato Braga (Mercedes AMG GT4) - a 5 voltas
3º) Gustavo Simon, Rafael Simon, Rafael Cardoso e Sérgio Cardoso (MRX) - a 51 voltas
4º) José Vilela, Pipa Cardoso e Tinoco Soares (Spyder) - a 107 voltas
5º) Ciro Paciello, Álvaro Vilhena e Evandro Camargo (Omega) - a 125 voltas
6º) Marcelo Servidone, Luiz Finotti e Jorge Machado (Tubarão) - a 168 voltas
7º) Ney Faustini, Ney de Sá e Marcos Philippi (Cobalt) - a 183 voltas
8º) Sérgio Martinez, Eduardo Pimenta e Luiz Oliveira (Spyder) - a 247 voltas
9º) Ricardo Rodrigues, Marcos Cassoli, Valter Barajas (Astra) - a 325 voltas
10º) Carlos Antunes, Yuri Antunes, Mauro Auricchio e Lucas Marotta (MRX) - a 332 voltas
11º) Edras Soares, Juarez Soares e Leandro de Almeida (Vectra) - a 336 voltas
12º) Mauro Kern, Paulo Sousa e Tiel de Andrade (MCR Tubarão) - a 337 voltas

Vídeo: Master/Catve

Foto: F1Mania

Leia outros artigos de Luiz Aparecido