Brasil

Chapecoense planeja contratação de mais três reforços para fechar elenco

A Chapecoense iniciará 2017 mesclando os reforços com jogadores da base

30/12/2016 15h54 | Atualizado em 30/12/2016 15h54
A Chapecoense deverá buscar a contratação de até três reforços para fechar o elenco com cerca de 32 jogadores. Segundo o presidente da equipe, Plínio David de Nês, o time aguarda a solução de alguns detalhes para anunciar nomes que já estão acertados.

A ideia da diretoria é mesclar jogadores com uma rodagem no futebol aos jovens formados nas categorias de base do clube. O elenco será usado para disputar a Primeira Liga e o Campeonato Catarinense, mas sofrerá mudanças antes da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro.

"Tem contratados que vocês conhecem desde o início da semana. Temos outros praticamente contratados, mas ainda faltam exames médicos e a assinatura do contrato. Por isso que ainda não anunciamos. Falava que vamos contratar mais dois ou três, completando com a base, formando um plantel de aproximadamente 32 jogadores", disse o presidente à SporTV.

A Chapecoense já está acertada com ao menos sete atletas: o goleiro Elias (Juventude), o zagueiro Douglas Grolli (Ponte Preta), o lateral Zeballos (Defensor-URU), o meia Nadson (Paraná), e os atacantes Rossi (Goiás), Niltinho (Criciúma) e Dodô (Atlético-MG).

A diretoria catarinense ainda negocia com o volante Moisés, do Grêmio, e com o atacante Wellington Paulista, do Fluminense. O site Globoesporte reportou que o lateral Apodi e o atacante Túlio de Melo interessam ao clube.

O presidente da Chapecoense disse estar confiante de que o novo grupo honrará a memória dos jogadores mortos no acidente aéreo. A tragédia, que vitimou 71 pessoas, completa nesta quinta-feira exatamente um mês.

?Vamos ter o calendário extenso e ele terá evidentemente competições que serão prioritárias e outras que teremos a participação honrosa do nosso grupo?, declarou.

De acordo com David de Nês, os times brasileiros têm mostrado disposição para ajudar a Chapecoense. ?Faltam alguns firmamentos e todos os clubes se mostraram solidários. Temos que fazer um afinamento em alguns casos, mas a solidariedade é grande e existe. O que não queremos é constrangê-los e fazer pedidos que ficariam difíceis, mas tudo que pedimos os clubes estão fazendo assim. Até no exterior?, afirmou.

Gazeta Esportiva