26/02/2013 15h16

Prefeitura pede retirada de anteprojeto que favorecia concessionárias

Compartilhe


Foi votado e aprovado a retirada do anteprojeto nº 011/2013 do Executivo Municipal em que propõe o pagamento de passagem do ônibus coletivo com moeda circulante de no máximo R$ 20,00. O anteprojeto que já foi rejeitado em primeira votação ontem (25) por unanimidade de votos, pois, na ocasião, entenderam os vereadores que o projeto favorecia somente as empresas concessionárias do Transporte Coletivo, e, não o usuário. Hoje antes do anteprojeto ser submetido a apreciação à segunda votação, a Prefeitura pediu a retirada. Ativos não foi explicado, porém, é salutar dizer que, "Antes tarde, do que nunca"! Uma vez pelo menos olharam para o povo, esquecendo as concessionárias Aleluia!!!



26/02/2013 15h07

Aprovada a Lei que termina com o semáforo "PISCANTE" em Cascavel

Compartilhe


Foi aprovado a Lei do vereador Luiz Frare (PDT), que revoga os dispositivos da Lei anterior que obrigava os semáforos a entrar em sistema piscante após a meia noite. Em primeira votação ontem, foi aprovada a revogação com 15 votos favoráveis e 4 contrários. Há pouco, em segunda votação, foi aprovado a Lei que obriga os semáforos a funcionarem da mesma forma, 24 horas/dia, ou seja, obedecendo a Legislação Brasileira de Trânsito. O projeto recebeu 15 votos favoráveis e 4 contrários.



25/02/2013 17h06

Destruíram a BR-163 para utilizar materiais em obra do Governo Federal

Compartilhe


Em 31 de janeiro deste ano, a CATVE levou ao ar, matéria no Giro de Notícias, mostrando que a BR 163 foi destruída em parte no trecho que compreende a BR 277 até o entroncamento do Contorno Oeste que liga a Capitão Leônidas Marques. Mostrou e não emitiu opinião sobre a situação, por entender naquele momento que não se tratava de "ROUBO", mas sim, que os materiais (pó de pedra e pedra), ali "parados" era de propriedade da União, conforme alegação da administração pública municipal, e que tal utilidade daquele material sucumbido da BR 163 para uso em uma Obra que pertence também a União, não seria caso de "ROUBO", já que a área do aeroporto pertence ao Ministério da Aeronáutica através de um contrato de comodato. Assim sendo, não causaria dano ao patrimônio Público da União.

TEMPO AO TEMPO
Tudo na vida, temos de dar "Tempo ao Tempo", pois, imaginamos que qualquer autoridade pública, sabe o que está fazendo quando na ocupação de cargo público. O caso veio a tona no dia de hoje e na leitura do requerimento para convocar o Secretário de Obras, Mauricio Theodoro que também estava no exercício do mandato de prefeito na ocasião da retirada das pedras da BR 163, eis que surge as explicações mesmo antes do comparecimento de Theodoro na Tribuna da Câmara por parte de alguns vereadores.

E AGORA?
Com a prerrogativa de que não houve "ROUBO" dos materiais da BR 163, como enfatizaram membros da Câmara na tarde de hoje, mas sim, a utilização dos materiais de uma obra do governo federal, sem uso, no caso parte do trecho inutilizado da BR 163, para uso em uma obra do também Governo Federal, o que dizer e o que acontecerá com aqueles que taxaram a administração pública municipal de Cascavel, como "ladrões de asfalto"?

SEM PRONUNCIAMENTO
A coluna não havia se pronunciado até o momento sobre o assunto, mesmo tendo conhecimento do caso, e, com documentos - fotos -, testemunhos e vídeos desde o dia 31/01/2013. Nosso leitor deve estar se perguntando, por que? Porque tudo tem um significado na política, e para chamar alguém de "ladrão", primeiro tem de possuir provas sobre qualquer delito ou crime. Agora, como a Prefeitura tem um álibi fortíssimo sobre o caso, que usou os materiais do trecho da BR 163 sem utilidade, para construir o taxiamento e estacionamento para aeronaves no Aeroporto, vimos que tudo tem um desdobramento. As vezes, é melhor se calar enquanto não houver um pronunciamento das partes envolvidas no caso.



25/02/2013 16h07

Vereadores votam a favor do povo e rejeitam projeto da Cettrans

Compartilhe


O projeto que a Cettrans enviou a Câmara para que fosse aprovada a redução do valor da moeda de R$ 50,00 para R$ 20,00, no pagamento da passagem feita pelo usuário na catraca do ônibus do transporte coletivo FOI REJEITADO. Ou seja, os vereadores desta vez votaram a favor do povo e não nas empresas interessadas em investir pouco e ter a salva-guarda da sua moeda no lombo do usuário do transporte coletivo.



25/02/2013 11h47

Cettrans muda lei para favorecer concessionárias

Compartilhe


Vai ser lido logo mais na sessão ordinária da Câmara Municipal de Cascavel, o anteprojeto de lei que determina a redução do valor que o usuário do transporte coletivo paga na catraca para seu deslocamento. A lei que hoje rege sobre o valor máximo para troco ao usuário de R$ 50,00, e caso a empresa não tenha o troco correspondente de R$ 47,40, tem de liberar a catraca para que o usuário possa viajar sem pagar a passagem.

RETROCESSO
O anteprojeto que será lido é um retrocesso no que tange a lei existente, pois quer a Cettrans favorecer tão somente as empresas concessionárias do transporte coletivo (Vale SIM), e não o usuário, que se não possuir a nota de VINTÃO para pagar a passagem terá que se virar para arrumar o valor trocado, e não mais viajar de graça como é legitimada pela lei que ainda está em funcionamento.

CÁLCULO
Veja a diferença e a incoerência que a Cettrans quer fazer com o usuário. A lei hoje determina que o usuário pode pagar com uma nota de R$ 50,00 o valor da passagem de R$ 2,60, tendo assim de dar R$ 47,40 de troco, valor este que corresponde a 20 vezes o valor da passagem em tese, caso este anteprojeto seja aprovado e vir a lei o usuário terá que disponibilizar os VINTÃO e a concessionária se necessário devolver o troco para três clientes, já é mais do que a moeda corrente de R$ 50,00, porque terá de devolver R$ 17,40 para cada usuário que pagar com uma nota de VINTÃO.

COFRE
Seria prudente a Cettrans defender o usuário e utilizar a constituição para tal situação, e não cercear o direito do cidadão pagar sua passagem com qualquer valor em uma nota só da moeda corrente do tesouro nacional. Colocar lei de valor restrito para pagamento de uma passagem é no mínimo uma incoerência de nossos administradores, e um favorecimento escancarado as concessionárias. Então porque não uma lei que estabelece que todos os ônibus coletivos tenham um cofre? Para no mínimo depositar as notas graúdas dentro dele, e assim não sofrer assalto, tendo a chave somente na garagem da empresa, porque troco de qualquer maneira a empresa terá que ter na catraca. Como diz o jargão popular: "Muda-se os "cães", mas não muda o "canil".



22/02/2013 17h42

IPTU votado às escuras não tem validade em Cascavel

Compartilhe


A lei que aumenta a alíquota do valor venal dos terrenos de Cascavel votado em 26 de dezembro de 2012, numa sessão extraordinária que até então estava secreta agora aparece mais uma situação para que o prefeito no uso de suas atribuições possa intervir junto ao legislativo cascavelense ou a justiça, para pedir revogação desta que está eivadas de erros desde seu início.

VEJA PORQUE
A lei quando votada e aprovada é encaminhada para que o prefeito possa sancionar e daí em diante entrar em vigor. Conforme vemos na foto ao lado ou no texto abaixo isto não aconteceu - veja o porque. Falta no artigo 14 a descrição de que esta lei ENTRA EM VIGÊNCIA na data de sua publicação, ou seja, se tivessem colocado isto teria entrado em vigência a lei do aumento do IPTU em 27 de dezembro de 2012, como não colocou vale o que segue.

ERRO GROSSEIRO IMPEDE AUMENTO DO IPTU
Se não constar a data da vigência da lei vale o que diz a lei de introdução do direito brasileiro - antiga lei de introdução do código civil -. Ou seja, entra em vigor em 45 dias da sua publicação, no caso a lei 6.173/2012 não consta "entra em vigência na data da sua publicação", portanto, o prazo de validade dela exterminou 45 dias após a publicação no Diário Oficial, correspondente então a este ano, e como a lei só pode valer para este ano se votada e aprovada e entrada em vigência no ano anterior a lei do aumento do IPTU de Cascavel não tem validade para o ano de 2013. A princípio a lei não pode valer para este ano porque descumpriu o princípio da anterioridade do lançamento do tributo, que significa que todo tributo que terá aumento tem que ser votada, aprovada, sancionada ou promulgada no ano anterior a sua validade.


LEIA NA ÍNTEGRA O ARTIGO DA LEI

Art. 13. Segue em anexo, e fazem parte integrante desta Lei, as Tabelas 1 a 6 e a Tabela do Valor Unitário dos Terrenos por Face de Quadra.

Parágrafo Único. Os imóveis oriundos de novos loteamentos aprovados a partir da vigência da presente Lei, bem como aqueles que porventura não tenham constado da Tabela de Valores Unitários dos Terrenos por Face de Quadra, e que venham a ser incorporados ao Cadastro Técnico Imobiliário, terão seu valor venal apropriados para efeito de lançamento de tributos, a partir da aplicação da metodologia de cálculo estabelecida na presente Lei.

Art. 14. Revogam-se as disposições em contrário, especialmente a Lei nº 5.696/2010.

Gabinete do Prefeito Municipal
Cascavel, 27 de dezembro de 2012.

Edgar Bueno
Prefeito Municipal



22/02/2013 16h19

Vereador protocola ofício pedindo esclarecimentos a prefeitura

Compartilhe


Vereador de Cascavel, Paulo Porto (PCdoB), protocolou na secretaria da Câmara, Oficio solicitando ao Executivo Municipal, valores investidos pela prefeitura na mídia local, esclarecendo a população sobre a paralisação dos professores. Também solicita qual a agência publicitária contratada para tal fim. Diante dos fatos que vem gerando discussão entre população e a categoria dos professores o vereador justifica tal medida como ato de incitar a população contra os professores. Uma vez que no momento os professores continuam retardando a entrada nas escolas em uma hora.



22/02/2013 10h20

Parquímetros não chegam e sistema do EstaR, continua na era do "carvão"

Compartilhe


Cadê os Parquímetros? A licitação para compra dos parquímetros para serem implantados na Zona Azul de Cascavel, foi feita, testes foram feitos, mais até agora, nada de assinatura do contrato e implantação dos parquímetros. Em Cascavel, quando é para favorecer o usuário do sistema EstaR tudo parece difícil.

MENOR CUSTO AO USUÁRIO
Segundo análise de técnicos da Cettrans, se o município adquirir o material (os parquímetros), em 11 meses o sistema se paga. Em São Bento do Sul os parquímetros vão bem, em Apucarana vão bem, em Chapéco (cidade pólo regional) melhor ainda, só em Cascavel que parece que as coisas não andam. Quando é para melhorar a vida do cidadão, nossas autoridades parecem não se importarem muito, já que o custo do EstaR, ficará mais barato ao usuário e uma rotatividade maior na Zona de Estacionamento Regulamentado.

SISTEMA VIÁVEL
Foz do Iguaçu, os parquímetros tem dois anos, são viáveis, a população aprova. Aqui em Cascavel, onde o mesmo equipamento seria implantado, não é viável? Existem muitos argumentos, mas porque será que o novo presidente da Cettrans, Paulo Gorski, não quer implantar esse moderno sistema em Cascavel? Tá faltando o que, para dar continuidade na contratação deste sistema?



21/02/2013 13h47

Nomeação de Assessor, pode estar vinculada a campanha de 2014

Compartilhe


É voz corrente de que o "jornalista" Jefferson Lobo, nomeado assessor de imprensa na Câmara de Cascavel com um salário de R$ 5.300,00 (cinco mil e trezentos reais), tem um trabalho árduo para executar de agora em diante. Polarizar o presidente Marcio Pacheco (PPL) e elaborar estratégias políticas para que Pacheco possa vir a disputar a eleição de 2014 para deputado Estadual.

TEM SENTIDO!
Apesar do assunto ser ainda mera especulação, de que o presidente da Câmara, Marcio Pacheco - eleito para a função, depois de idas e vindas e o cargo acabou caindo no colo - nomeu Lobo para este fim, mas uma coisa intriga aqueles que comentam: Pacheco conheceu "Lobo" há 30 dias, quando o "jornalista" procurou-o e ofereceu seus trabalhos. - Palavras do próprio Pacheco quanto ao tempo que conhece Lobo. Como o cargo é de "CONFIANÇA" e Lobo foi nomeado sem que o presidente o conheça de fato, a boataria parece que tem sentido.


SÓ EM 2014 PARA TER A RESPOSTA
O lobo fez o papel dele, procurou o "emprego", agora se o cargo na Câmara vai ser usado para estratégias políticas visando a campanha eleitoral para deputado estadual, vejo que o caminho está errado, pois dinheiro público, não pode ser utilizado para este fim. O tempo nos dirá, se Pacheco for candidato, as especulações do momento, vai virar FATO, e ai, a nomeação de Lobo no cargo, poderá validar a "moeda de troca". Pronto, disse e ficarei no aguardo também, até junho de 2014!



21/02/2013 13h09

Edgar Bueno, perde seis vereadores da "BASE"

Compartilhe


Em meio às turbulências que o Executivo Municipal de Cascavel vem enfrentando, uma nova situação está criada. A base do prefeito Edgar Bueno (PDT) que parecia sólida, se partiu. Seis vereadores que se elegeram na coligação do prefeito, Minha Vida é Cascavel, estão montando um grupo INDEPENDENTE e, votarão juntos em todas as matérias da Câmara, seja projetos do Executivo ou do próprio Legislativo.

BLOCO INDEPENDENTE
Os vereadores listados a seguir, cansaram de "paparicar" o "homi" e ter reconhecimento apenas quando o Executivo precisa dos votos deles na Câmara. Assim formaram o Grupo Independente: Paulo Bebber (PR) - Marcos Rios (PDT) - Romulo Quintino (PSL) - Robertinho Magalhães (PMN) - Jaime Vasatta (PTN) e Fernando Winter (PTN).


GRUPOS CONSTITUÍDOS
Oficialmente teremos então três grupos na Câmara de Vereadores de Cascavel a partir de agora: Os times, em tese, ficarão assim constituídos. Oposição 8 vereadores. Base do prefeito 6 vereadores e o BLOCO INDEPENDENTE 6 vereadores, o vereador Marcio Pacheco fica apenas de presidente.

E AGORA PREFEITO?
Uma das reclamações do GRUPO INDEPENDENTE, ficou caracterizado na votação em que derrubou o veto do prefeito. Dizem eles que o governo não tem interlocutor e que o prefeito pouco respeita os vereadores. Uma pergunta não cala. O que fará Edgar Bueno quando um projeto de importância for votado? Se depender só do seu grupo fiel de apoio, fatalmente perderá. E eu que pensei que a lua de mel de prefeito e vereadores seria mais longa!



Luiz Nardelli
Casado com Margaret S. Nardelli, pai de Tarlliza Romanna Nardelli e Leonardo Romanno Nardelli, nasci em Paraíso do Norte (PR) e há de 39 anos moro em Cascavel (PR).

Este sou eu: Luiz Nardelli, 52 anos, técnico em estatística atuando como profissional da imprensa desde 2004. Graduado em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e pós-graduado em assessoria de imprensa. Iniciei a profissão como colunista político no jornal A Tribuna de Cascavel.

Desde então são 13 anos carimbando opiniões em impressos como: Extra Paraná, jornal Gazeta do Paraná, Jornal O Estado do Paraná-Curitiba, A Tribuna de Cascavel e no semanário Manchete Popular.

Atualmente com uma coluna no Portal, catve.com/luiz-nardelli . Em programas de TV, integrei o programa Sala de Debates com o legendário (in-memórian) Joel Damásio e o polêmico Laerson Matias no Canal 21/Catve. No Grupo Catve estou há mais de 11 anos como apresentador do programa Sala de Debates e posteriormente com o Bate Rebate e EPC.

Atualmente divido a bancada do programa EPC (Esporte, Política e Cidadania) na Catve/FM 91.7 e Catve/TV, transmitido das 18 às 19 horas diariamente. No EPC tenho a parceria de Jorge Guirado, diretor do Grupo de Comunicação Catve e Geraldo Magela.

Jornalista, repórter, apresentador, locutor, comunicador. Do que depender deste profissional, informações, opinião e notícias não faltarão aos leitores, ouvintes, telespectadores e nas Redes Sociais. Espero você aqui!

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112




COPYRIGHT CATVE.TV | 2011 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS MOBILE READY

Maio Amarelo