15/10/2013 16h57

Memória da vida escolar, minha homenagem ao Dia dos Professores

Compartilhe


Escola: estrutura x valores - Sinceramente...não me recordo muito das professoras e professores que tive quando criança. Minha primeira escola foi pública, Grupo Escolar da Vila Nova em Londrina, bem pertinho de casa. Lugar simples em estrutura, mas rico em valores. Foi onde cantei o Hino Nacional todos os dias, onde aprendi o Hino da Independência, aprendi OSPB e Educação Moral e Cívica que hoje parece nem mais existir nas escolas. Hoje, aliás, nem existe o tal de "repetir de ano". Naquela época era nobre passar direto. Dava moral em casa com os pais. Se repetisse, meu Deus, o couro comia, não é Zelão?

De onde veio meu envolvimento com esportes - Depois desta maravilhosa passagem pela escola da Vila Nova fui estudar o antigo Ginásio no Marcelino Champagnat; depois no Vicente Rijo onde tive dois professores que me marcaram muito. Primeiro foi o Reinaldo Ramon - homem que criou os Jogos Abertos do Paraná -, e também o Celso Belacosa, este segundo, uma figuraça. Lá o Professor Brandão me ensinou basquete e junto com o Belacosa, durante as aulas de Educação Física, eu ia até o Pandeirão assistir jogos de Futebol de Salão jogados pelo time do Monções de Lau, Mineiro, Mexicano (pai do Giba do Vôlei ) Milton Sciappina do Country, Nicola, Riba, Tigrão, Valdemir, Fuzil - daquele timaço que era a CACIQUE. Graças a eles me apaixonei por este esporte.

Primeira paixão - Do Vicente Rijo fui estudar no Antônio Moraes de Barros lá no Bandeirantão. Tive lá minha primeira paixão: a professora de Frances Verlane. Se viva, ela não sabe disto até hoje. A diretora era a Tereza Canhadas e um grande professor de inglês, que escapava a quarta, o Mauro. Nesta fase da vida escolar tive belos professores.

Ensino superior - Minha passagem pela UEL foi curta, pois logo em seguida, depois de alguns poucos meses, fui transferido para Cascavel. Aqui passei pela FAG em Direito Internacional, onde tive um encontro com o professor Ramiro Dias. E já na tenra idade estudei na Univel onde me marcaram os ensinamentos do professor Lúcio, do Fabiano Tykalanovitz, do professor Rui São Pedro, Marcos Bertoli e Alberi Daubermann. Todos de altíssimo nível, cada um com suas características mas todos gente da melhor qualidade.

Meu obrigado - Tudo isto pra dizer, então, neste dia do professor que gostaria de parabenizar e agradecer cada um deles, mesmo aqueles que por ventura tenha esquecido. Mesmo que eu tenha gostado mais de um que de outros. Todos eles, sem exceção, foram importantes na minha vida. Ensinaram-me muito. Se não aprendi tudo e se já me esqueci dos ensinamentos é única e exclusivamente minha culpa. Nesta data em que se comemora o DIA DO PROFESSOR gostaria de saudar e cumprimentar todos eles.

Valorização - Hoje, mais do que nunca, esta classe não tem seu trabalho, seu esforço reconhecido. Com alunos que os desrespeitam cada dia mais. Pais que transferem aos MESTRES a responsabilidade pela transmissão de retidão, a formação de caráter, a linha de conduta na vida quando deveriam ter como encargo apenas o ensino técnico. Apenas passar conhecimento e cultura e na verdade são obrigados a cuidar da formação do cidadão.

Educação e política - Parabéns, PROFESSORES. Um dia nossos governantes irão olhar para trás e talvez lembrem que para chegarem onde estão, tiveram que passar por suas mãos para aprender o que sabem de cultura, português, matemática, política. Hoje, muitos, infelizmente, não se lembram da importância para nosso País da EDUCACÃO, DOS SENHORES. Saber eles sabem que as soluções estão nos bancos escolares para a diminuição da violência, das drogas, do desemprego. Eles apenas fingem que não sabem, pois um povo sem escola é muito mais simples de manipular e conduzir.


07/10/2013 15h43

Falcão, uma ave de rapina ou um ídolo do Futsal?

Compartilhe


Falcão eu estava aqui pensando: Será que devo escrever pra você?

Cara você é tão pobre que só dinheiro tem. Não sei se vale a pena.

Da outra vez que lhe dediquei umas pequenas linhas você ligou três vezes pra eu tirar do nosso portal. Sabe eu antes de escrever naquele 30 de setembro de 2011, portanto já mais de 2 anos, eu falei com muitos ex-colegas seus da Malwee e de Seleção. Eu não tinha escrito besteira.

Agora outra vez você apela contra uma cidade e desta vez não tem como você dizer que não falou porque estava no ar na TV. Seu ego te traiu. Você desde a primeira entrevista estava incomodado com o que aconteceu aqui. Deveria estar mesmo, afinal tomaram de 4. Pois por xingamentos de torcedores fanáticos você não poderia estar incomodado, afinal você sabe que xingar, humilhar e esnobar jogadores adversários seus é o que você mais faz. Aí antes e depois do jogo você incitou a torcida de seu time contra os torcedores e o time daqui. Segundo o relato do Repórter Bruno Silva do Jornal Hoje, você xingou e ofendeu a torcida do Cascavel, inclusive ele um repórter, além de mandar os seguranças agredí-los depois do jogo.

Sabe Falcão será que vale a pena escrever? Será que vale a pena se manifestar sobre você? Para um ídolo, para um melhor do Mundo seu caráter é no mínimo duvidoso.

1 - Você é anti-ético e está traindo o grupo daí que te prestigiou. Jogando pelo Orlândia e contratando jogadores dele para jogarem em Sorocaba. Aliás fazendo propostas para dois do Cascavel (Fred e Rafinha) justamente antes das partidas de quartas de final. E ao que parece nem aí você está tão bem quisto assim, pois os ingressos ao Ginásio são de graça e num jogo decisivo sequer lotou.

2 - O time daqui inteiro, mais as viagens e despesas de estadia e refeições, custa menos do que você ganha e vocês passaram um sufoco. Veja o retrospecto dos jogos entre os dois. Aí tiveram de apelar.

3 - Você apelou na primeira jogada. Deu uma cotovelada no Issamu. Se fosse ao contrário ele seria expulso e você estaria ofendendo-o, lembra quando você agrediu o Edigleuson, ou aquele jogador da Espanha, ou aquele árbitro? Só falo de alguns mostrados na TV. Você agride e depois covardemente se faz de vitima e usa o espaço que eles não tem na mídia para atacá-los.

4 - Seu time levou um vareio aqui e levou aí também. Se o goleiro linha não desse um chute improvável e achasse um gol teria ficado feio hein? O Cascavel chutou duas na trave. O Guita foi o melhor jogador de seu time. Seu time jogou amedrontado, parecia ele o de salários baixos como você gosta sempre de falar em quadra para os adversários...

5 - Em um lance absolutamente normal, dito até pelo comentarista do jogo, seu time todo, comissão técnica, etc... invadiu a quadra para agredir o grupo do Cascavel. Aqui aconteceu isto Falcão? Aqui algum torcedor pegou pela camisa jogador que estava na quadra para cobrar lateral?

6 - O seu time chegou até aqui sem sua colaboração, apesar de seu ganho, afinal você ficou muito boa parte do campeonato encostado, não é?

7 - Aliás, você tem jogado tanto que quando esteve de frente com o goleiro e com chance de matar o jogo no tempo normal você perdeu e o comentarista sempre seu defensor chegou até dizer que o Fininho faria o gol com categoria. Talvez naquele meu primeiro comentário que você não gostou eu tenha errado em incluir o nome de seus filhos pequenos, mas, cá pra nós, será que eles ficarão felizes em saber o que você apronta que a Tv não mostra? Ainda sobre crianças, é esta formação do ofender companheiros de trabalho, uma cidade e o ganhar a qualquer custo que "suas escolinhas" ensinam?

Sabe Falcão para um ídolo. Para um cara que faz publicidade dos Correios e de uma marca famosa de Tênis, seus arroubos de impulsividade ou suas contorsões lamentosas, são extremamente negativas. Orlândia tem perto de 50 mil habitantes, Cascavel tem seis vezes mais que isto e merece respeito não só pela sua gente, mas pela capacidade de compra dos produtos que você propaga..

Quanto a aumentar o preço do ingresso quando você vem jogar aqui você deveria ficar feliz e não se lamentar. Quando o Palhaço é bom o Circo sempre aumenta o preço dos ingressos.


04/10/2013 14h44

Cascavel, a novela da vida real

Compartilhe


Maior torcida do mundo: são os do contra e está em Cascavel - Quando se fala que Cascavel é a capital mundial da autofagia muita gente não gosta. Mas é inevitável; tudo aqui é uma novela, muito complicado. Nunca vi tanto esforço para se jogar contra. Mérito e reconhecimento são dois vocábulos inexistentes no dicionário da cidade. Ninguém está nem aí com a valorização alheia. A grande maioria quer mais é que se exploda; e se der errado, melhor. É a torcida contra.

Resquícios da Gringolândia - Se as coisas aqui não acontecem dizem que é uma cidade de gringos, a Gringolândia. Que os gringos não deixam fazer nada. Daí fala-se que ninguém faz nada, que não tem evento, que o shopping é fraco, tem estádio, mas não tem jogo, o autódromo não tem corrida, o aeroporto não desce avião...

Caso 1: Aeroporto - Mas percebam como é difícil. Recuperam o aeroporto... Ah, mas as pedras foram roubadas da BR; a pista está no través do vento; a sala de embarque e desembarque não presta, não tem ILS.

Caso 2: Autódromo - Recupera-se o autódromo... Ah, mas a pista ficou ruim; tem muito bump; os banheiros não prestam; a torre de cronometragem não foi feita. Quem comprou os terrenos da frente não concorda com estacionamento de quem vai lá ver corridas.

Caso 3: Shopping - Daí vem um novo shopping. Compram a área, mas quando vão construir não pode, "porque vai prejudicar o meio ambiente"; afirmam que vai poluir o Lago. Só que os do contra não dizem que no entorno do Lago Municipal já tem mais de mil empresas instaladas, tem postos de gasolina, tem condomínios residenciais, tem as galerias pluviais que levam tudo que corre daquelas bandas da Avenida Brasil e das ruas dos bairros próximos, tudo pra dentro do Lago, depois que chove. Ah, isto "pode" porque já tinha.

Caso 4: Time de Futebol - deixaram o time de futebol da cidade cair da Série A para a 2a.divisão e em seguida para a terceira.Depois acabaram com ele. Dai surgiu um novo. Os que deixaram o outro cair, ou não ajudaram se manter, dizem que o novo é fake, que é de interesse de políticos. Dizem que não representa a cidade. Mas se todos os envolvidos são da cidade, como é isto?

Caso mais recente: Grenal - Conseguem um jogo. Descrença geral. Não vem. Como pode? E a saúde do Município? Povo 0 x 2 Prefeitura. Um time não quer, festa dos do contra. Só de fora da cidade já recebi mais de 100 pedidos para comprar ingressos. Mas daqui... Quando tem qualquer evento tipo corrida, shows, jogo, quem pode pagar para ajudar a patrocinar o evento, incentivar quem trouxe e bancou as contas, daí quer ingresso de graça. Ingresso não. Querem ingressos (no plural), e ainda Vips, quer mordomia sem dispor de nenhum tostão.

Graduação em sobrevivência a bombardeios - Meu DEUS! Quem sobrevive dirigindo ou realizando algo aqui em Cascavel poderá com certeza administrar o IRAQUE, sem nenhum problema. Vai pra lá graduado. O Félix Curi aqui seria da pré-escola.

Não estou avalizando o que é errado. Poderia ser tudo certinho e acontecer, mas aqui tudo é uma novela. Sempre tem uma dúvida, um diz que diz.

E podem começar a sentar o pau que eu to mais para Lutero que para César.


28/08/2013 07h52

Quem não dá assistência, abre concorrência

Compartilhe


Prefácio - Ao escrever o que se seguirá abaixo tenho plena convicção de que irei contrariar algumas pessoas, dentre elas, muitos amigos. Mas faz parte de como vejo a democracia com seu direito pétreo de livre manifestação de opinião, a favor ou contra algo que acontece. Com a licença dos vários amigos e conhecidos médicos, farei uso deste direito.

Aperte o cinto, os médicos sumiram - Devido à natureza do meu trabalho sou reconhecido em locais que frequento, e isso inclui consultas. Ultimamente, porém, mesmo conhecido e inclusive tendo no grupo das empresas em que trabalho um hospital, ainda sendo profissional da imprensa ? o que muitas vezes facilita o acesso às pessoas -, tenho tido dificuldades em ser atendido em algumas especialidades médicas.

"Unimédicos" - Recentemente tive problemas para tratar uma forte tosse, como também tive dificuldades para receber atendimento para verificar uma suspeita de alergia (no mesmo quadro de tosse) e, por último, não foi fácil nem mesmo para aferir uma alteração de pressão. De quais dificuldades estou falando? Não encontrar horário de médicos pelo plano de saúde através da UNIMED. E olha que com cobertura completa e valor bem completo também.

Direito do cidadão, dever do Estado - Embora esteja citando plano de saúde, gostaria de falar da Saúde como um sistema, incluindo público e privado. Os sintomas que eu tive, com certeza, são muito menores que o da maioria que procura o serviço médico público. E não é porque aconteceu comigo, agora, que eu tenha mudado de opinião. Por muitas oportunidades critiquei os problemas de nosso sistema de saúde. Sempre falo na TV ou no Rádio e até já escrevi que os governantes não respeitam quem os elege, não lhes dando o básico: saúde e educação. Governantes de todos os níveis: municipais, estaduais e federal. É uma lastima!

Globalização - Cito o meu caso apenas para exemplificar, me colocando outra vez no lugar daqueles menos favorecidos, que não têm os mesmos privilégios que eu, os acessos que tenho. Toda essa situação faz com que eu repudie as manifestações de grupos de médicos contra a IMPORTAÇÃO de outros médicos. Afinal, se podemos importar carros porque os nacionais não atendem nossos sonhos, nossa segurança, porque não protegem nossas vidas; são carroças, como disse o Presidente que abriu o País às importações; então porque, mal comparando, não podemos importar médicos para cuidar de quem não é cuidado por quem deveria fazê-lo?

Concorrência força qualidade - Claro que os médicos cubanos e espanhóis terão dificuldade com a língua, com os hábitos e o modo de vida de nossa população, mas, se os nossos não se interessam em estar nos locais mais longínquos, e, pior, nos grandes centros acabam privilegiando consultas particulares em detrimento de convênio, se não se interessam pelos salários pagos no serviço público, o que fazer? Restou viabilizar alternativas. Dentre as alternativas viabilizou-se trazer profissionais de fora, até mesmo para melhorar a "concorrência", similar o que aconteceu com os carros importados. Embora eu não concorde e penso ser um acinte a forma de pagar os médicos cubanos.

O melhor plano de saúde é ser atendido - E não estamos falando somente do famigerado SUS. Lembremos que o exemplo citado aqui acontece por conta de um destes convênios - diga-se de passagem, um convênio de uma União de Médicos - que deixam de atender, e por quê? Subentendo que privilegiando o particular.

Não é favor nenhum, é obrigação - Concordo que nossos médicos precisam ter um bom ganho para sustento de seu estilo de vida, sustento da família, enfim, para ter uma boa vida, afinal estudaram para isto. Mas cá pra nós, a maioria destes nossos médicos se formou no ensino de nossas universidades estaduais e federais. Ou seja, foram subsidiados pelos impostos pagos pela população e, salvo raras exceções, agora estão dando as costas justamente para a população mais carente e necessitada.

Quem não tem ideia melhor, copia - Devemos, sim, nos espelhar em projetos que dão certo. Que se copie o ensino de países mais avançados, que se copie seus modelos e políticas públicas. Se nos Estados Unidos e na Inglaterra é permitida a importação de médicos, por que não aqui também? Penso que copiar e adaptar à nossa realidade não fará nada mal à nossa Saúde especialmente se incorporarem a isto hospitais e centros de atendimento tão precários e em falta no Brasil.


13/07/2013 09h23

Fato, causa e consequência

Compartilhe


Precaução e temeridade - Tem um ditado antigo que diz "quem sai na chuva sabe que vai se molhar". Desta sabedoria popular podemos tirar várias conclusões. A mais óbvia é: se você se propõe a sair na chuva, saiba que a chuva molha; então, prepare-se para ficar molhado, principalmente se estiver despreparado. Mais à frente retornaremos a este ditado.

Ontológico - Por uma série de fatores psicossociais é comum todos falarem de todos. É o famoso fuxico. Fulana é isto, fulano é aquilo. Beltrana é assim, beltrano é assado. E esses falatórios destacam imperfeições, principalmente se for para especular o sucesso. Se o cara desponta, é traficante, contrabandista, "veado"; está de alguma forma se vendendo. Se a mulher aparece, se destaca, é amante, prostituta. Às vezes até pode ser, mas nem sempre. E se for? O fato é que parece ser difícil elogiar os méritos. Reflitamos.

Ônus e bônus - Se parece ser próprio, atinente ao ser humano falar da vida alheia, imagine então para quem tem atividade pública. Sendo discreto na multidão você já é alvo de, digamos, comentários; estando, por algum motivo, em destaque, isso se amplia exponencialmente. É o caso de quem tem atividade pública. Se a vida de um anônimo já desperta falatório, imagine a de um vereador, presidente de Câmara, secretário, prefeito, jogador de futebol, técnico, narrador, comentarista ou repórter... Todos estão na lista de pessoas constantemente em exposição. Exercem atividades públicas e pela exposição despertam o pior no ser humano: ciúmes, inveja, dor de cotovelo.

Cada qual na sua função - Prefeitos, secretários, vereadores, treinadores e jogadores ganham para uma atividade que lhes dão visibilidade e suas atividades têm consequências coletivas, por isso são obrigados a dar conta publicamente de seus trabalhos. Narrador, repórter e comentarista ganham para informar, mostrar e comentar aquilo que ocorre no cotidiano, e isso inclui falar sobre a atividade de outros, inclusive sobre os entes públicos.

Vitimização - Voltamos ao ditado de sair na chuva e se molhar. É isso! Receber elogios e críticas faz parte da vida de quem exerce atividade pública, e, portanto, é preciso estar preparado para as consequências. Para estes, choradeiras por críticas, essa contínua posição de se colocar como vítima, não cola. Até porque nenhuma opinião é verdade absoluta. Não passa disto: tão somente uma opinião, por isso não há porque se ofender. Também é bom lembrar que toda unanimidade é burra. Se nem mesmo aquele, dito pela maioria, que foi "o cara" teve unanimidade e foi crucificado o que dizer de nós simples mortais....

Autoflagelo - Além do que, ninguém foi obrigado a disputar ou participar de nada. Se estão onde estão, nas condições em que estão, é porque foi o que conseguiram em razão de seu histórico, de seu esforço, do que planejou diante dos recursos disponíveis (ou pela falta de tudo isso). Não adianta se autoflagelar. Quem fica nesta ladainha frequente é porque entrou na atividade sem condições, despreparados.

Escondidinho - Nesta lista de exposição tem os "Migués" da vida que nos deixam sempre na fria; provocam e depois simplesmente transferem a responsabilidade. Tudo é muito legal nas vitórias ou nos bons resultados; escrevem bastante, esperneiam, exageram em altos e falsos elogios. Mas nas derrotas afloram a "coitadice" e o choro. Quando a situação não é favorável, somem dos comentários em redes sociais, se afugentam nos ambientes. Parece com aquele prato culinário "o escondidinho"; ficam em separado, só de moita.

Às vezes a vida pública pode virar privada - Se a pessoa tem condições e estrutura, se não irá abusar da necessidade e da boa vontade alheia, nem criar dificuldades para quem precisa; tudo bem, participe. Se NÃO tem nada disso, não tem nada de útil a dizer, somente ficará nas reclamações, querendo confete, achando-se "especial", guerreiro; nem "saia na chuva". A fase do coitadinho, de se fazer de vítima, já passou, prescreveu por prazo de validade...

PS - É só uma opinião...


04/07/2013 07h44

Carta a Dilma Rousseff

Compartilhe


Cascavel 4 de Julho de 2013

Prezada Presidenta,

Venho, com todo respeito, neste dia em que se comemora a independência americana , país modelo para muitos, dirigir-lhe algumas palavrinhas.

Começo confessando que a senhora não é a presidente dos meus sonhos. Não votei na senhora, até porque a senhora não tinha uma história política neste País. Sinceramente, nem a conhecia. Apesar disso, a senhora foi eleita pela maioria, com a indicação de um Presidente que se tornou ídolo das massas, e eu respeitei e respeito sua eleição.

Sei que a senhora é linha dura, foi até guerrilheira, parece não ser afeita às sacanagens, joga pesado, sendo até mesmo um pouco truculenta. Sem falar que gosta de dar umas apeladas verbais. Eu entendo, sabe! Também já fui assim. Sei que muitas vezes se não for sob pressão as coisas não andam. O povo é acomodado mesmo. Posso imaginar no serviço público. E com políticos, então, deve ser muito pior.

Como eu ia falando - melhor, escrevendo -, sei que a senhora não concorda com muita coisa que esta aí, e que teve de engolir muita gente em seu governo por conta daqueles famosos acordos políticos partidários; sem falar das "heranças" do padrinho. Entendo! Faz parte. Mas, cá prá nós, Presidenta, quase três anos já! Não está na hora da senhora se libertar? Dar um basta nesta situação e botar a máquina nos trilhos?

Olha, Presidenta, a oposição é meio espaçosa mesmo. Eles perdem a eleição, mas querem ficar no comando. Afinal, o povo elegeu o seu programa de governo, penso eu, e não o deles; mas daí eles querem que a senhora governe como eles pensam. Não aceitam a derrota! Ficam na pressão: "faça isto ou aquilo; não deve nomear este ou aquele; não deve aumentar cargos e ministérios". Mas, então, a senhora, estando dentro da legalidade e da ética, pode fazer o que achar melhor, não é? Eles que ganhassem as eleições, poxa vida ! Afinal, a gente sabe que onde ganharam os governos estaduais fizeram tudo igualzinho a senhora. Criaram cargos, secretarias, nomearam apadrinhados e etc. etc...

Sei que a senhora tem muitas prioridades, mas Presidenta, nada é mais urgente do que melhorar nossa logística arrumando nossas estradas, rodovias, portos para facilitar o escoamento da safra, o transporte das indústrias e também garantir nossa mobilidade com conforto e segurança. Tem muita gente morrendo nas rodovias.

Ah, lembra o dia em que a senhora veio aqui em Cascavel no Show Rural? Percebeu a rapidez que fez o trajeto do Aeroporto ao Parque da Coopavel? Pois é, estava tudo fechado só para sua comitiva. Por isso o trânsito naquele dia estava ótimo no Trevo Cataratas. Poderia ser assim todos os dias se a senhora desse uma atençãozinha lá. E aquele espetáculo que a senhora viu no evento é tudo para aumentar a produção de grãos; mas sem estradas, rodovias e portos não adianta nada. Puxa, Presidenta, nós temos cinco deputados federais! Impossível que eles não tenham comentado nada disso com a senhora.

Sabe, Presidenta, nós precisamos melhorar o atendimento da saúde do povo. Tá ruim demais. E não adianta só importar médicos de Cuba. Até entendo a senhora ter um carinho por eles, mas antes nós precisamos de hospitais públicos bons e equipados; precisamos de enfermeiras e atendentes bem remunerados; de boas ambulâncias e de UTIs em aéreas regionalizadas, não acha? Imagine médicos espanhóis e cubanos conversando com nosso povo. Se as consultas hoje duram 1 minuto passarão a 15 segundos por falta de entendimento da língua.

Presidenta, precisamos melhorar nossos aeroportos. Todo mundo diz isto, não é? Que tal começar pelas cidades-polos do interior para desafogar as metrópoles. Facilitaria a vida de muita gente e especialmente de empresários, estes que geram empregos e impostos.

Também precisamos melhorar o transporte público, não acha? Como pode São Paulo, uma das cinco maiores cidades do mundo, ter apenas 74 quilômetros de metrô? Nem falo das outras capitais. E a qualidade dos ônibus e o preço das passagens? Se o empresariado consegue pagar o vale-transporte, penso que daria para o Governo ajudar para isto custar menos, não?.

Sabe, Presidenta, eu já vi muitas vezes no Fantástico, aquelas pessoas que sofrem com a seca lá do nordeste. Dói no coração ver gente passando fome enquanto o gado morre sem eles poderem fazer nada. Será que a Presidenta não assiste a este programa dominical? Será que nada pode ser feito para resolver aquilo? Quanto tempo ainda irão sofrer nossos irmãos nordestinos? Já ajudaria a senhora poderia concluir a transposição do Rio São Francisco. Diga que foi para o povo mas também em homenagem ao PAPA. Ele é argentino mas pegaria bem afinal é Francisco.

Tem também a criminalidade, senhora Presidenta. O quanto não se fala sobre os bandidos comandarem de dentro das cadeias o tráfico, o contrabando e outros ilícitos. Muito se fala do uso de celulares, até oficina de reparos de celular encontraram outro dia numa prisão. Será que o Governo, com a máquina e o poder nas mãos, não consegue resolver isto? E o crack? Presidenta, estamos perdendo feio este jogo e pouco ou quase nada é feito para acabar com este mal que está destruindo famílias e mentes maravilhosas. Até quando? O estado não é tão fraco e incompetente assim. Acho que falta vontade e interesse em resolver.

Sabe,Presidenta eu sempre ouço em rodas de políticos uns burburinhos de que o eleito não pode fazer muito o que pensa porque o sistema não deixa. Eu imagino que a senhora tenha boas intenções e quer fazer pelo povo mas esta com as mãos amarradas,então será, Presidenta, que não dá para a senhora abrir o bico, botar para fora em cadeia de rádio e televisão os porquês da sua administração? Por que não se faz? Por que não consegue mudar o errado? Por que é tão difícil acabar com a corrupção do Estado? Será que isto não é melhor que um plebiscito sobre reforma política?

A senhora pensa que o povo está nas ruas por causa de uma reforma política e que querem saber quem vai pagar o custo das eleições e se devemos ter todas juntas? A senhora acha mesmo que o povo quer saber de partidos, de alianças, se pode coligações ou não?

Para que gastar tanto dinheiro num plebiscito, Presidenta? O que o povo quer está explícito nas faixas dos manifestantes ordeiros, está na boca do povo, de um taxista, de um usuário de hospital, de transporte público. Para a senhora ouvir com mais clareza o clamor da população precisa sair deste mundo virtual que é Brasília - território brasileiro único em que copeiro ganha mais que médico e arrumar o cabelo custa R$ 3.100,00. Circule na periferia, bata um papinho com uns taxistas, cobradores de ônibus, manicures, que a senhora ficará sabendo das reivindicações.

Minha sugestão é que a senhora Presidenta economize o dinheiro do plebiscito e ouça o povo tête-à-tête. Tenho certeza que valerá a pena.

Atenciosamente,

Jorge Guirado


22/06/2013 08h50

O Tahiti é aqui

Compartilhe


Afronta - Tão perfeita em exigir do Brasil obras faraônicas em estádios, ao ponto de deixar de fora um que já está pronto, o Morumbi. Tão caprichosa em exigir prazos, ao ponto de Mr. Jérôme Valcke dizer que tínhamos de dar um "pé na bunda" de nossos dirigentes, melhor dizendo, de nossos governantes.

Passividade - E estes mesmos governantes não fizeram nada além de um ameaço de que o Sr. FIFA não trataria mais nada com o Governo. Ameaça, porque na verdade ele continua aí, ditando regras, curtindo nossas praias e outras vantagens e mordomias. Curtindo do rebolado da carioca ao quê a Baiana tem.

Afinal, quem manda aqui? - Dona FIFA, tão exigente na liberação de bebidas nos estádios contrariando lei vigente no País. Tão exigente na isenção de impostos e taxas. Tão radical em não permitir que pequenos ambulantes sobrevivam ao redor dos estádios ou em seus portões vendendo bugigangas, comidas, pratos típicos, bebidas, lembranças, coisas simples. E tudo, obedientemente atendido pelo Governo e aprovado pelos senhores deputados e senadores, acompanhado de num discursinho barato: "um bem para o Brasil não pode ser dificultado".

Cadê o selo de qualidade - Pois esta mesma exigente Dona FIFA não é tão exigente na entrega de seu produto. Cobra e exige muito, mas oferece um produto de má qualidade. Afinal como pode deixar ou convidar que participe de um evento tão caro, que recebe exigências das mais absurdas, uma equipe como a Seleção do Tahiti? Time que perde de 6 x 1, 10 x 0 e 8 x 0. Isto não é enganar o povo?

Desde quando a FIFA promove amadorzão - Não é enganar o País sede e seus governantes que enfiam um absurdo de dinheiro no evento? Ninguém vai cobrar qualidade? Todo mundo vai achar lindo porque eles comemoram ao conseguir fazer um golzinho na Nigéria, aquela mesma que chegou e a Copa já estava em andamento? Todo mundo vai achar bonito porque eles são simples, têm gente desempregada no time, são amadores? Todo mundo vai achar lindo porque a Televisão mandou uma equipe lá e outra aqui acompanhando o técnico ganhando uma camisa do Neymar autografada para o filho? Bonito, o Cléber, o Galvão e o Luciano falarem que eles são simpáticos. Até uma faixa de agradecimento aos trouxas eles mostraram. Lindo né? Dá vontade de chorar... Chorar de raiva, pois estamos sendo enganados por quem vem aqui, fazendo um monte de exigências e levando nosso dinheiro sem pagar um tostão de impostos. Gente que fez o Governo gastar absurdos de dinheiro em estádios que nem serão mais usados.

Pelo ralo - Por exemplo, quase 2 bilhões num estádio em Brasília onde nem tem um Campeonato decente. Gastar outros bilhões em Cuiabá, capital de um Estado sem estradas para escoar a sua safra, nem mesmo um time, mas que terá um estádio. Ou alguém conhece algum time de Cuiabá que joga o Campeonato Brasileiro? Não vou nem falar do Amazonas, onde temos cidades em que o povo tem dificuldades de receber o básico por falta de acesso. Tem algum time de lá que joga o Brasileirão? E ainda Ceará, Pernambuco. Em qual divisão do Futebol Brasileiro estão seus times?

A quem interessava tantas cifras em estádios? - Olha, eu gosto de futebol. Gosto de ver, jogar e trabalhar nas transmissões de futebol. Já transmiti muitos jogos de futebol: Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Paranaense, Paulista, Gaúcho, Olimpíadas, Copa do Mundo. Estive em estádios de Copa como nos Estados Unidos, Espanha, México que não eram nada superiores ao nosso estádio olímpico de Cascavel. Claro, houve uma evolução dos conceitos, valores e modernidade. Mas naqueles períodos, comparando o que existia, o nosso era muito mais completo. Era realmente preciso gastar tudo isto para fazer a Copa das Confederações ou a Copa do Mundo? E as Olimpíadas então? O Maracanã precisava de duas reformas, uma para o Pan e outra para a Copa ? Periga eles fazerem outra para as Olimpíadas. Precisamos lembrar de uma Grécia quebrada e tudo que ficou de legado lá foram estádios, arenas, parques aquáticos, locais construídos para os jogos, agora estão todos abandonados e destruídos. Só continua em pé a conta para pagar, bilhões de Euros..

O que poderia ficar de herança da Copa - Se o Morumbi e o Maracanã velho serviram para o Mundial de Clubes FIFA, se Mineirão e os dois citados servem para Campeonatos Oficiais com chancela FIFA - ou seja, Brasileiro, Libertadores da América entre outros - por que não serviriam à Copa? Bastava uma garibada. Porque o que seria relevante mesmo e que a população depois desfrutaria, a mobilidade urbana, os aeroportos, as estradas, nada foi feito.

Reais prioridades - Temos problemas gravíssimos para escoar safras, estradas e portos que não atendem a demanda. No norte e no centro-oeste as estradas estão esburacadas, quando estão asfaltadas; no sul, estradas criminosas que matam todos os dias, pedagiadas, sem duplicação. Portos sem infraestrutura que demoram até 10 vezes mais que os principais do mundo para liberarem cargas. No sudeste, onde está nosso maior parque industrial, as estradas são péssimas, aeroportos defasados, sem estrutura. Falta metrô para o transporte da população, falta ônibus urbanos, além de seus preços. No nordeste a seca é um mote de campanha, e continua sem água, morre o gado, famílias vivem na miséria. A população carece de hospitais, de saúde, de ensino, de empregos. E o Governo? Dá bolsa família, dá isto, dá aquilo. Dá na verdade esmolas. Dá? Dá nada! Na verdade sobrecarrega o empresário que gera empregos, que na verdade este sim toca o País. Uma carga tributária terrível; a maior do mundo. Não precisa ser vidente para saber onde vai dar isto. Carga tributária alta e esmolas ao povo. Peguem como exemplo Espanha, Portugal e Grécia. Nações quebradas!

Vamos chutar a bunda - Enquanto acontece uma mobilização jamais vista no Brasil, manifestações democráticas - salvo os baderneiros, os vândalos e aqueles que pegam carona política -, vários deputados estão em viagem ao exterior. Tão nem aí. O Governo dando esmola é a FIFA dando o Tahiti como atração. Não seria o caso de chamar o Mr. Valcke para ameaçar "chutar a bunda" deles pra ver se eles "dão" tudo pra nós como deram pra FIFA? Seria perfeito se tivéssemos hospitais, escolas, estradas, portos, aeroportos e impostos, tudo no mais alto PADRÃO FIFA...até porque em matéria de corrupção são mano a mano.


27/05/2013 09h41

CONSEGUIRAM ...E O FUTEBOL está perdendo até a vaga da Terceira Divisão

Compartilhe


Vidência ou evidência? - Quase apanhei quando lá atrás critiquei os desmandos no CCR, a situação que criaram na parceria com o Beletti, o desrespeito com um ídolo como o Paulinho Cascavel, quando comentei sobre os motivos da queda para segundona e que, se prosseguissem com aquela mentalidade, com a forma errada de conduzir um time de futebol como se fosse um de futsal, cairiam para a terceira. Depois antevi na TV, na FM, no jornal Manchete Popular e no portal Catve.tv que o time iria cair para a terceira por irregularidades com jogadores. Nada foi feito. Caíram. E. agora pasmem estão perdendo também a vaga da Terceira Divisão.

Não se larga o doce - Para fazer parceria com o Beletti, uma família daqui, idônea, fizeram mil exigências, sacanagens, etc. Já para negociar com forasteiros, todas as facilidades. É bom lembrar que foram dois calotes. Cheguei a afirmar que mais um ano com a mesma administração e o time cairia para o amador do Tiãozinho. Enfim, todas as vezes que critiquei - com base em fatos - levei pau, sofri ofensas, agressão verbal. Tive de ouvir ironias do tipo: "se acha que está ruim por que não faz melhor"?. Conversa mole... Se eu quisesse pegar, eles não largariam.

Boicote em cima de boicote - Vocês se lembram quando o Magrão da garagem de carros se propôs a assumir? Foi massacrado. O Conselho não aprovava porque ele não era conselheiro. Não era, mas queria investir. E o Tony Almeida? Moeram. Chamaram de tudo; até de bandido o cara foi tachado. Pelo menos é um profissional do futebol e não um amadorzão como os que pegaram e destruíram o único patrimônio do time: a vaga na divisão especial.

Quem pariu Mateus que o embale - Porque eu teria de assumir? Não é minha praia. Sou profissional de comunicação. Bem ou mal faço meu trabalho. Se merece elogios, os faço; se merece crítica, idem. Não tenho obrigação de ficar agradando. Em nenhum momento me escalei para esta função. Quem se escalou assuma os erros e os custos ou faça como eu fiz quando fui vice do Lourival Neves: não satisfeito com meu desempenho tirei o time de campo, não sem antes pagar os débitos que me couberam inclusive passes de um jogador que avalizei no banco para o Cascavel. Fiz a minha parte.

Conselho é bom e não se vende - Quando tentaram me convencer de uma "volta" do CCR, avisei que não "virava". Primeiro por causa das dívidas - que bem de verdade ninguém sabe ao certo onde, como nem quando vai ser quitada. Além disso, tem um conselho, sem ofensas a ninguém, de gente simples, que não conseguiu juntar R$ 4 mil para ajudar o time resolver as pendências do alvará. A meu ver é um conselho manipulável. A diretoria soube da divida quando foram inscrever o Sub 18. Por que não pagaram as contas naquele dia? Por que a surpresa agora? Não sabiam que sem uma categoria de base não se joga o profissional?

Nenhum esforço - O advogado Osires Nadal, consultado sobre o que poderia ser feito, disse para o presidente: "pega seu carro e venha amanhã às 14h aqui no arbitral. Não tem como eles te rejeitarem. Os poucos times que estarão irão te apoiar". Foi alguém lá? Compareceram? Não. Por que será?

Nem mesmo o básico: a papelada - Bom dizer, a quem não saiba, que nem a documentação do time estava correta. Duas administrações não estavam registradas na Federação. Legalmente não existiam.Alegaram que não conseguiam documentos do Jair Bordignon. Oras bolas! A certidão de óbito é pública; basta ir ao cartório e pedir. Aliás, colocaram muita culpa nas costas do Bordignon. Covardia, afinal, o cara já tem quase dois anos que não está mais aqui para se defender. Por sinal, ele morreu, mas não deixou o time cair.

Money, que é good, não have - Time de futebol - seja no Rio ou São Paulo, quanto mais no interior - tem de ter um bom gestor, um excelente presidente e um conselho forte, endinheirado. Tem de bancar, colocar dinheiro ou ter interesse em ganhar dinheiro, formando jogadores para vender. Investindo pesado em Marketing para a marca virar. Ilusão achar que se consegue fazer algo apenas com genialidade ou influência. Certo ou errado, não sei, é preciso dinheiro. Vejam Coritiba, Atlético. Londrina, que só ressurgiu por causa da grana do Gestor.

Não tem como dar certo - Por outro lado temos exemplos do que dá errado. O Paraná Clube se afundou por divergências políticas e má gestão. Só não quebrou de vez graças ao grande patrimônio conseguido em suas fusões que lhes deu bastante para torrar. Também nunca vi dar certo presidente que além de não colocar dinheiro ainda pagar salário além da média do grupo para filho, de qualidade duvidosa como jogador, jogar no time. E pior, não vi dar certo presidente que já pegou ingressos para vender, de jogo importante, não prestar contas do dinheiro arrecadado. Parece piada, mas aqui já teve tudo isto. Aqui todo ano tem rifa, as vezes mais de uma. Nunca se vê a prestação de contas. Além de venderem sorteio de camioneta importada e entregarem um carro popular Gol, sem a menor explicação ou pudor. Melhor nem se aprofundar em outras peripécias maledescas.

Milagre: só um por vez - De dois times adormecidos querem levantar um. A escolha mais viável é levantar o mais barato, sem dívidas e sem amarras: o FCC. O CCR só se for possível acontecer dois milagres ao mesmo tempo. Portanto, não concordo com a teoria da conspiração de ser pura politicagem a escolha do FCC.

Milagres podem acontecer - O Cascavel em suas várias denominações já teve alguns santos milagreiros: Francisco Gonzaga Albuquerque, que trouxe o time para a 1ª divisão em 1979; Nelson Vetorello, nosso campeão; Valdir Sirtoli que fez boas campanhas; Edgar Bueno, sim ele mesmo, que também foi bem; o Alfredo que também ia bem até por falta de tempo e pelas inúmeras atividades cometer o erro, por 4 ou 5 vezes, de entregar para tocar o time quem talvez não devesse.

Quanto melhor, melhor - Obviamente não sou o dono da verdade. Escrevo aqui apenas minha opinião. E se não perceberam, não sou do quanto pior, melhor. Quero futebol, futsal, voleibol, basquete, cuspe à distância, tudo funcionando perfeitamente. Só assim tenho matéria-prima para realizar meu trabalho. Quanto melhor, melhor... Digo isso porque já ouvi de um destes, que se acham o bambambam: "se o futsal acabar o que vocês irão fazer"?. Respondo: Stock Car para a rede Globo, Truck e Marcas para a Band; Copa do Brasil para o Sportv, Liga Futsal - em Umuarama, Marechal, Maringá, Joinville - também pro Sportv, Campeonato Brasileiro pra Globo, Libertadores para a FOX e Globo, e outros eventozinhos mais simples por aí como o Mundial de Motonáutica, Motocross, WTCC... E estava me esquecendo: vou fazer, ao vivo e com muito prazer, o campeonato do Tiãozinho. E quem sabe a Copa das Confederações para a RAI (Rádio Audizioni Itália).


16/05/2013 15h16

Futebol Sulamericano: esporte, negócio e agora, caso de polícia

Compartilhe


Glorioso alvinegro praiano - Com certeza algo que não sou e nunca serei é corintiano. Nasci com uma influência pra lá de especial: no auge de Pelé. Quando comecei a entender algumas palavras o Corinthians já encontrava certa dificuldade em ganhar do Santos, time do Rei do Futebol. Esta influência é muito forte, embora meu pai seja palmeirense.

Rivalidade é rivalidade - Não uso desta hipocrisia de que quando time brasileiro joga contra time estrangeiro eu torço pelos brasileiros. Isto é uma mentira deslavada. Como vou torcer por um time brasileiro ter sucesso e obter mais resultados que o meu time? Meu time é campeão Estadual, Brasileiro, da Copa do Brasil, da Libertadores, da Recopa e do Mundo. Não importa há quanto tempo; de fato é. Então porque vou torcer para que outro time brasileiro o alcance?

Erros de arbitragem ou roubo? - Mas... Sempre tem o "mas". Se eu estava torcendo a favor ou contra não quer dizer que concordo com aquilo que observei no jogo Corinthians x Boca. Aquilo não existe. É um desrespeito com nosso futebol, com nossa paixão, com nosso negócio. O que aconteceu neste jogo gera prejuízos incalculáveis ao futebol enquanto instituição. Foi roubo qualificado.

Além do mero esporte - Todos sabem que o futebol é um grande negócio, mas é também ópio, lazer, relax, válvula de escape para o estresse, cansaço, dificuldades de vida de muita gente. Como negócio, o futebol propicia muitos empregos, faz girar muito dinheiro.

Moeda sulamericana - Já tido como o melhor do mundo, o Futebol Brasileiro hoje pode não ter excelentes resultados dentro do campo, mas ainda é a mola propulsora desta máquina de fazer dinheiro de muitos países pobres da América do Sul. Mesmo estando meio cambaleante em resultados técnicos, puxa pra cima, em termos de negócio, a Bolívia, o Equador, a Venezuela, o Paraguai e outros tantos. E é por isso que não pode ser tão mal tratado como está sendo pela direção sulamericana.

Quando virou caso de polícia? - Os times brasileiros e seus jogadores caríssimos se submetem a jogar em alçapões, em potreiros, em campos sintéticos do Chile ou do México e são maltratados, xingados, cuspidos, afrontados, ameaçados e ninguém faz nada. Pior. Seus jogadores e técnicos são punidos. Lembrem-se de Luxemburgo, Luis Fabiano e sem falar dos 12 corintianos presos na Bolivia. Quando jogam no Brasil acontece como Tigre x São Paulo: agressões, abandono de campo, destruição do patrimônio. Ou como lá em Belo Horizonte onde agrediram jogadores do Galo e a própria polícia, quebraram vestiários e, por fim, ainda foram todos rindo para a delegacia. E o time brasileiro ainda teve que emprestar dinheiro para pagarem a fiança.

O mais absurdo dos absurdos - E por fim acontece aquilo que se viu ontem: um árbitro arrogante, que trava o jogo no meio campo, que para o jogo a todo o momento, não deixa correr, justamente porque favorece quem não precisa ganhar. Trio que comete erros crassos, absurdos para uma competição deste nível.

Quem dá lucro merece, no mínimo, consideração - Embora sejamos os únicos a não falar a língua de San Martin e de Simon Bolivar, penso que o futebol brasileiro merece mais respeito pela sua história, por sua tradição, pelo que representa e leva de gente aos estádios especialmente fora daqui. Merece mais respeito pelo que representa para o povo brasileiro que curte, ama e vive por seu time.

Respeito é bom e todos gostam - Ontem foi com o Corinthians. Amanhã será com o nosso... Na verdade já foram muitas vezes. Infelizmente a gente esquece nossos prejuízos e tristezas quando o adversário se dá mal, especialmente se for o "Curintia". No entanto, passou da hora de um basta...


18/02/2013 07h43

Câmara dos Horrores 2

Compartilhe


O teatro não acabou - Bom, passado todo o circo da eleição da Mesa Diretora em Janeiro. ainda não completamos o segundo mês e descobre-se que a votação do IPTU ao apagar das luzes de 2012 foi irregular. Que até um inciso (XI) foi suprimido depois de publicado ou foi colocado depois só para validar um ilícito. Descobre-se que o diretor legislativo pediu para o responsável da informática tirar do site a publicação inteira e vem a publico dizer que mandou errado para a gráfica. Mas por que mandou tirar do site? Quer dizer um abuso, um absurdo, um escárnio.

Terceiro ato - quando parece que tudo se acomodou neste teatro de horrores. Que o resultado das eleições da Presidência e da Mesa diretora já tinha sido resolvido, que agora a situação iria mudar surge mais um ato contra os interesses da maioria, ou seja da comunidade, do cidadão. Alguns "nobres" edis por alguns agrados (sabe-se lá quais) de proprietários de novos loteamentos resolvem derrubar o veto do Prefeito na diminuição da área destinada a construção publica. Cada loteamento é obrigado por lei a reservar um percentual para a construção de Praças, Ubs, quadras de esportes, etc...Dai os vereadores na sua maioria resolvem derrubar o veto e diminuir este percentual. A desculpa é de que isto vai baratear o preço dos lotes. Piada de mal gosto. Além disto os donos de loteamentos que muitas vezes conseguem estas áreas na base da pressão, da força de seu dinheiro querem ainda mais. Querem diminuir a largura das ruas. de 11 para 7 metros. E agora pasmem, colocar lotes de 100 mts2. Tudo para aumentar seu lucro. Piada de mal gosto.

Estes nobres edis parece que não acompanham os noticiários, não acompanham os pedidos do Ministério Publico, as decisões da justiça e muito menos a voz da população. Não sei se perderam o respeito, o pudor, o juízo, a vergonha, ou nunca tiveram nada disto...


Jorge Guirado
A frente da Catve, Jorge está desde 2004, mas essa história começou bem antes. Em 1979, o apresentador tem suas primeiras experiências em televisão com a implantação da TV Tarobá, emissora na qual teve o cargo de diretor geral por 21 anos, lá idealizou em 1994 e realizou até 2003 o Dia da Bondade em Cascavel, Londrina, Foz do Iguaçu e por último em Toledo.

Na filial da Band, criou e colocou no ar vários programas. Apresentou os Programas, Melhor da Rodada e Placar de Opiniões. Sua carreira na Band também inclui a criação e implantação da TV Tarobá de Londrina inaugurada em 1996, a qual dirigiu por sete anos.
As narrações de jogos na afiliada da BAND passam pelos Campeonatos Gaúcho e Paranaense de Futebol, Copa Libertadores da América, Chave Ouro, Sul americano de Seleções de Futsal e Liga Futsal.
Em grandes coberturas da Band, Jorge participou da equipe de produção nas Copas do Mundo de 1986, 1990 e 1994, e ainda, nas Olimpíadas de Los Angeles e Atlanta.
Jorge foi diretor de imagens durante eventos como Stock Car, Fórmula Truck, Carnaval do Rio de Janeiro e da Bahia, e em três etapas brasileiras do Mundial de Motovelocidade, imagens estas destinadas a Dorna TV, que distribui o sinal das corridas para 180 países.
Com serviços para a Band, SBT, Globo e Espn, durante 20 anos foi diretor de imagens dos Campeonatos Brasileiro de Futebol, Copa dos Campeões, Copa do Brasil, Libertadores da América, Pré-olímpico de Futebol, Liga Mundial de Voleibol e Copa América de Futebol realizada uma no Paraguai e outra na Bolívia.

Dirigiu também as 3 etapas da Fórmula INDY realizadas no Rio de Janeiro com transmissões para ABC e ESPN INT dos EUA, Band e SBT e o Panamericano de Basquetebol em Montevidéu no Uruguai.
Durante cinco anos dirigiu imagens da Fórmula 3 Sul americana para Espn Internacional na Argentina , Uruguai e Brasil, as etapas brasileiras da World Series e da WTCC, entre outras categorias do automobilismo nacional.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13




COPYRIGHT CATVE.TV | 2011 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS MOBILE READY