22/10/2014 16h54

Seu nome não é trabalho

Você não deve tratar sobre trabalho fora dele...

Compartilhe


Lendo a crônica de uma renomada psicóloga no Jornal o Paraná de Cascavel, me deparei com o título: "Seu nome não é trabalho".

Dentre outras colocações ela cita o fato de que esposa e filhos esperam que você deixe a máscara do trabalho na empresa. Você não deve tratar sobre trabalho fora dele e nem pode estar com sua vida voltada á ele.

Pois bem, entendo e concordo com parte disto. Se você é cobrador de ônibus, motorista, se você é porteiro, se você é varredor de ruas, zelador. Enfim se você tem atividade simples. Atividade que uma falta ou omissão nada vai mudar para a maioria das pessoas. Atividade em que você pode ser substituído por outro e nem sentirão sua falta. Igual se você não tem atividade de comando onde outras pessoas dependem de seu start, de sua opinião, de sua posição, de sua orientação ou experiência.

Mas, se você for médico terá de estar pronto para tratar e falar de trabalho a qualquer momento, pois pode acontecer um acidente, uma ocorrência grave, de repente até envolvendo amigos seus ou familiares. Se você é eletricista, se você dá manutenção em ar condicionado, gás, fossa, serviços domésticos, encanamento, a qualquer momento pode ser chamado para atender alguém e por certo não vai querer deixar na mão um cliente, uma família que necessitará de seus préstimos para resolver um vazamento ou entupimento.

Se você é jornalista e dos bons, a qualquer momento você pode ser chamado para cobrir um fato importante, um plantão, um acidente grave, uma rebelião, morte de alguém de destaque.

Enfim, cada caso é um caso. Existem muitos para relatar de ambos os lados. Agora, se você quer ter um lazer com qualidade, em local bom e confortável, com mordomias. Morar bem, viajar para bons lugares. Ter bons produtos para consumir, viajar de avião, ter um bom carro, potente, seguro. Se você quer dar boa escola, bons brinquedos, acompanhamento médico de qualidade e lazer para seus filhos. Enfim quer ter qualidade de vida, você só chegará a isto com empenho e muita dedicação ao trabalho. Sendo um profissional diferenciado. Para ser diferenciado tem de ser dedicado, empenhado, comprometido. Para ser assim só estando 24 horas antenado naquilo que faz. Sendo Comum não chegará a lugar nenhum.

Ou usar a filosofia de PETER DUCKER: "Não podemos deixar de trabalhar, é certo, mas quem sabe possamos deixar o trabalho mais leve, menos extenuante, menos neurótico, permitindo e administrando para que possamos viver a vida em abundância".

WORKAHOLICS OR LIFEAHOLIC THIS A QUESTION.

Não sou psicólogo. Aprendi na prática. (que me lembre pouco falo de trabalho em casa......)




18/09/2014 11h38

Juca Kfouri: "a Copa do Mundo cumpriu o que deveria cumprir"

Ele participou do Programa EPC na Catve FM

Compartilhe


Meus caros,

Tivemos a honra de receber no EPC - Esporte Política e Cidadania que vai ao ar na CATVE e na CATVE.FM de segunda a sexta-feira das 18 as 19 horas um dos mais respeitados jornalistas esportivos do Brasil.

Jornalista que denunciou, quando dirigia a revista Placar, a Máfia da Loteria Esportiva e quando dirigiu Playboy entrevistou Pelé que pela primeira vez denunciou os desvios da CBF. Depois acabou rompendo com Pelé justamente quando escrevia um livro sobre o Rei do Futebol por não concordar com o repentino apoio ao comando da Confederação Brasileira de Futebol pouco tempo depois de denunciar.

Jornalista, formado em Ciências Sociais pela USP, hoje é blogueiro do UOL, escreve na Folha de São Paulo, é comentarista da CBN e da ESPN BRASIL.

Juca Kfouri falou sobre nosso futebol, nosso esporte e a Copa.





24/06/2014 18h39

O dia em que tremi nas bases...

Eu, Nardelli e Sérgio Ricardo entrevistamos Mário Sérgio Cortella

Compartilhe


No mês de Maio tive uma das tarefas mais difíceis desta carreira de pseudo entrevistador que assumi já há algum tempo. Confesso, "tremi nas bases", porque o entrevistado é simplesmente um "monstro". Recebi no EPC - Esporte, Política e Cidadania da CATVE FM 91,7, o caríssimo MÁRIO SERGIO CORTELLA, nascido em Londrina como eu, e torcedor do Santos como eu, apresentador de alguns programas de rádio e tv como eu, pisciniano como eu, mas as coincidências acabam por aí.

CORTELLA é filosofo, escritor, educador, palestrante dos mais solicitados e professor universitário. Quase foi Monge. É professor titular de Teologia e Ciências da Religião e de pós-graduação em Educação da PUC-SP.

Tem obras publicadas no campo da Filosofia e da Educação, autor de:
- A Escola e o conhecimento;
- Nos labirintos da Moral;
- Não espere pelo Epitáfio/Provocações Filosóficas;
- Não nascemos prontos;
- Viver em Paz para Morrer em Paz/Paixão sentido e felicidade;
- Não se desespere;
- Sobre a esperança/Diálogo com Frei Betto;
- Vida e Carreira: um equilíbrio possível;
- Educação e Esperança: sete reflexões breves para recusar o biocídio;
- Vivemos mais! Vivemos Bem? Por uma vida plena;
- Pensar bem Nos faz bem! (Filosofia, religião, ciência e educação);
- Pensar bem nos Faz Bem! (Família, carreira, convivência e ética);
- Descartes, a paixão pela razão; entre outras tantas.

Diante de nossas limitações intelectuais tentamos fazer uma boa entrevista com ele.





12/05/2014 17h38

Tô nem aí...

Compartilhe


É simplesmente decepcionante a atitude dos gestores públicos de Cascavel. Parece que se importam muito pouco com o turismo de eventos da cidade.

Como não temos um Centro de Convenções decente, sobra-nos o Esporte. No Esporte também não temos uma ARENA multi-uso ou um bom Ginásio como em Londrina, Curitiba, Maringá e até São José dos Pinhais que pela estrutura conseguem receber grandes eventos como Liga Nacional de Vôlei, Copa do Brasil, Mundialito de Futsal, grandes jogos e até lutas do UFC.

Bom, daí sobram Autódromo e Estádio. No primeiro fizeram uma reforma e todos sabem que logo depois da segunda corrida já tiveram que mexer na pista em razão das ondulações. Lá ainda faltam a torre de cronometragem e asfaltamento na posição onde ficam os caminhões das equipes atrás dos boxes. Na atual cabine de transmissões infiltrações, problemas sérios nos banheiros, falta da cobertura dos HCS e falta de arquibancadas, além do poeirão ou lama para acesso do público, quer dizer foi feito nas coxas.

- Eu vi o Sérgio Maurício e o Reginaldo Leme da GLOBO transmitirem desviando anotações e o corpo de gotejamentos, além do risco de levarem um choque elétrico em razão da sala inundada.

Depois disto, a falta de trabalho para trazer os eventos para justificar as reformas. Por exemplo, este ano não teremos no autódromo a Fórmula 3, o Brasileiro de Marcas - Copa Petrobras - e muito menos o Campeonato de Mercedes. Três deles da VICAR que organiza a Stock Car. Também não pediram homologação da FIA para receber a Porsche ou outra prova Internacional.

O que houve? Acabou o encanto? Ou só serviu para ajudar na reeleição e já acabou o interesse?

Bom, aí tem nosso Estádio: não sei se porque foi feito por outro, mas continua lá sem receber grandes jogos. Equipes punidas pela CBF/STJD, inclusive o Paranaense Atlético, mandando jogos em Santa Catarina, Brasilia e agora definindo de imediato dois jogos em Maringá.

Atlético de Curitiba jogando na região de maior rivalidade com a capital, que é o Norte do Paraná. Figueirense levando jogo com o Santos para Londrina, onde tem time que jogará a Copa do Brasil justamente contra o Santos, claro enfraquecendo o interesse, e mesmo assim teve lá no Estádio do Café, 8 mil pessoas, embora com transmissão ao vivo de TV.

Mas e o nosso Olímpico? Olímpico apesar das promessas de 3 anos de efetuarem reformas. O gramado está em estado lastimável e a reforma anterior não atendeu os pedidos do Ministério Público sobre as necessidades de acessibilidade.

O Atlético tentou vir ano passado e também este ano jogar Libertadores, e também este ano jogar Brasileiro, e não conseguiu. Outras equipes punidas precisam de praças novas onde o futebol não tem time local e não está com mercado saturado.

O que será que falta pra este nosso pessoal acordar? O que faz a ACIC, a Associação de Hotéis, bares e similares para ajudar a convencer estes desinteressados? Reclamar que diminuíram voos todo mundo reclama, mas de prático o que fazem para atrair gente de fora para cá?

Ou não estão nem aí, só esperando cair dos céus... Vamos se mexer minha gente !!!!!



29/04/2014 16h04

Everybody Macacada

Compartilhe


Discordo que todos sejamos macacos. Esta campanha puxada pelo Neymar, claramente produzida, já com camisetas a venda não representa de fato e de sincero nada.

Esta agressão já ocorreu para com vários atletas profissionais de futebol. Com o próprio Daniel Alves, com o Neymar, Arouca e outros tantos e não houve esta manifestação de famosos. Acho isto um aproveitamento midiático.. Gente para aparecer.

A atitude dele sim louvável.

Manifestação ao natural, sem forçar, pelo momento propiciado e dando resposta com extrema inteligência com rápido raciocínio, embora pelo que já ocorreu com o próprio e o que vem ocorrendo com os outros possa até ter programado um dia dar esta resposta.

Mas, foi uma resposta a altura da insensatez, da estupidez deste tipo de gente que ainda se manifesta assim. Nenhum de nós é macaco. Somos todos gente. Seres humanos racionais e alguns poucos como estes idiotas seres irracionais.

Temos sim de brigar, lutar contra estas manifestações. Por exemplo, quem estiver ao lado ver e ouvir deve entregar para a polícia o idiota que fez. A resposta tem de ser conforme a lei. Prisão, processo, danos morais e tudo que couber. Menos aparecer em cima disto como muitos estão fazendo ou até faturando com venda de camisetas.

---------

EUA

Isto é exemplo para ser seguido por conta do racismo que está imperando no Esporte.

NBA expulsa dono racista do Los Angeles Clippers e põe clube à venda. Donald Sterling ainda foi multado em US$ 2,5 milhões

As declarações racistas de Donald Sterling custaram caro a ele. Na tarde desta terça-feira (29), o proprietário do Los Angeles Clippers foi expulso da National Basketball League (NBA), liga norte-americana de basquetebol. Portanto, o clube está à venda. De quebra, o executivo foi multado em US$ 2,5 milhões (R$ 5,5 mi).

No último sábado (26), o site TMZ apresentou trecho de ligação telefônica no qual Sterling repreende sua namorada, após ela postar foto no Instagram ao lado de Magic Johnson, ex-jogador negro de basquete: "Me incomoda muito você querer aparecer ao lado de pessoas negras. Por que você faz isso? Você pode dormir com negros, pode fazer o que quiser com eles. A única coisa que eu peço é que você não divulgue isso. E não os traga a meus jogos".

A repercussão foi extremamente negativa. Até Barack Obama, presidente negro dos Estados Unidos, interveio. "Quando as pessoas ignorantes querem anunciar sua ignorância, você realmente não tem que fazer nada, é só deixá-los falar. Foi o que aconteceu aqui. Os vestígios de discriminação ainda estão presentes".

O comentário racista, aliás, prejudicou o próprio Los Angeles Clippers. Imediatamente, a locadora de automóveis CarMax e a companhia aérea Virgin American encerraram o patrocínio à equipe. Por meio de nota oficial, a primeira empresa classificou o episódio como "absolutamente inaceitável".

Embora não tenham ido tão longe, outros patrocinadores também repudiaram a atitude. A montadora Kia Motors, a fabricante de bebidas energéticas Red Bull e a seguradora State Farm suspenderam o apoio, porém não rescindiram o contrato com o time. (Fonte site Máquina do Esporte)



21/04/2014 11h26

Perdi um amigo, um ídolo, um dos caras que mais ajudou profissionalment

Compartilhe


Com o LUCIANO DO VALLE e por causa dele como Diretor de Imagens estive em mais de uma Copa do Mundo, em mais de uma Olimpíada, em Liga Mundial de vôlei, em Copa Pelé, Copa dos Campeões, em Copas do Brasil, em Campeonatos Paulistas, Cariocas, Indys, Truck, Brasileirões, 4 Mundial de Motovelocidade, Libertadores, no Show do Esporte, no Valle Tudo, no Boxe, na Seleção de Master, no Apito Final no México, no Apito final dos Estados Unidos.

Estive por várias vezes cortando o carnaval da Bahia. Fiz o carnaval do Rio de Janeiro. Era fácil. Era seguir sua voz. Elogiou no ar publicamente eu e meu time e a emissora que defendíamos uma, duas, vinte, cem vezes e por isto ela é conhecida no Brasil.

Fizemos torneio de tênis em Gramado na volta me acidentei e, ele me fez homenagem na transmissão das 500 milhas de Indianápolis. Na Olimpíada da Austrália, levou vários profissionais do meu time, disse ele pra se garantir. Na Copa América do Paraguai a BAND éramos só nós e assim foi no pré-olímpico de futebol, no Millenium Live, no Verão Vivo em SC, no Sulamericano de futebol Feminino, no tênis de Búzios, assim foi pelo menos 20 anos.

Juntos inventamos a narradora feminina de futebol que não prosperou mas, deu certo as câmeras invertidas nos técnicos no Mundial de Clubes que o Corinthians ganhou no Brasil. Em 1996 Inauguramos a TV em Londrina com ele narrando a Eurocopa e saudando a cidade pela nova emissora. Falar o que de quem colocou a gente e a emissora no mapa do Brasil e da América Latina, de quem nos deu chance, ensinou, orientou, reconheceu e elogiou?

OBRIGADO BOLACHA , que DEUS te reserve um espaço especial no Céu.



15/10/2013 16h57

Memória da vida escolar, minha homenagem ao Dia dos Professores

Compartilhe


Escola: estrutura x valores - Sinceramente...não me recordo muito das professoras e professores que tive quando criança. Minha primeira escola foi pública, Grupo Escolar da Vila Nova em Londrina, bem pertinho de casa. Lugar simples em estrutura, mas rico em valores. Foi onde cantei o Hino Nacional todos os dias, onde aprendi o Hino da Independência, aprendi OSPB e Educação Moral e Cívica que hoje parece nem mais existir nas escolas. Hoje, aliás, nem existe o tal de "repetir de ano". Naquela época era nobre passar direto. Dava moral em casa com os pais. Se repetisse, meu Deus, o couro comia, não é Zelão?

De onde veio meu envolvimento com esportes - Depois desta maravilhosa passagem pela escola da Vila Nova fui estudar o antigo Ginásio no Marcelino Champagnat; depois no Vicente Rijo onde tive dois professores que me marcaram muito. Primeiro foi o Reinaldo Ramon - homem que criou os Jogos Abertos do Paraná -, e também o Celso Belacosa, este segundo, uma figuraça. Lá o Professor Brandão me ensinou basquete e junto com o Belacosa, durante as aulas de Educação Física, eu ia até o Pandeirão assistir jogos de Futebol de Salão jogados pelo time do Monções de Lau, Mineiro, Mexicano (pai do Giba do Vôlei ) Milton Sciappina do Country, Nicola, Riba, Tigrão, Valdemir, Fuzil - daquele timaço que era a CACIQUE. Graças a eles me apaixonei por este esporte.

Primeira paixão - Do Vicente Rijo fui estudar no Antônio Moraes de Barros lá no Bandeirantão. Tive lá minha primeira paixão: a professora de Frances Verlane. Se viva, ela não sabe disto até hoje. A diretora era a Tereza Canhadas e um grande professor de inglês, que escapava a quarta, o Mauro. Nesta fase da vida escolar tive belos professores.

Ensino superior - Minha passagem pela UEL foi curta, pois logo em seguida, depois de alguns poucos meses, fui transferido para Cascavel. Aqui passei pela FAG em Direito Internacional, onde tive um encontro com o professor Ramiro Dias. E já na tenra idade estudei na Univel onde me marcaram os ensinamentos do professor Lúcio, do Fabiano Tykalanovitz, do professor Rui São Pedro, Marcos Bertoli e Alberi Daubermann. Todos de altíssimo nível, cada um com suas características mas todos gente da melhor qualidade.

Meu obrigado - Tudo isto pra dizer, então, neste dia do professor que gostaria de parabenizar e agradecer cada um deles, mesmo aqueles que por ventura tenha esquecido. Mesmo que eu tenha gostado mais de um que de outros. Todos eles, sem exceção, foram importantes na minha vida. Ensinaram-me muito. Se não aprendi tudo e se já me esqueci dos ensinamentos é única e exclusivamente minha culpa. Nesta data em que se comemora o DIA DO PROFESSOR gostaria de saudar e cumprimentar todos eles.

Valorização - Hoje, mais do que nunca, esta classe não tem seu trabalho, seu esforço reconhecido. Com alunos que os desrespeitam cada dia mais. Pais que transferem aos MESTRES a responsabilidade pela transmissão de retidão, a formação de caráter, a linha de conduta na vida quando deveriam ter como encargo apenas o ensino técnico. Apenas passar conhecimento e cultura e na verdade são obrigados a cuidar da formação do cidadão.

Educação e política - Parabéns, PROFESSORES. Um dia nossos governantes irão olhar para trás e talvez lembrem que para chegarem onde estão, tiveram que passar por suas mãos para aprender o que sabem de cultura, português, matemática, política. Hoje, muitos, infelizmente, não se lembram da importância para nosso País da EDUCACÃO, DOS SENHORES. Saber eles sabem que as soluções estão nos bancos escolares para a diminuição da violência, das drogas, do desemprego. Eles apenas fingem que não sabem, pois um povo sem escola é muito mais simples de manipular e conduzir.



07/10/2013 15h43

Falcão, uma ave de rapina ou um ídolo do Futsal?

Compartilhe


Falcão eu estava aqui pensando: Será que devo escrever pra você?

Cara você é tão pobre que só dinheiro tem. Não sei se vale a pena.

Da outra vez que lhe dediquei umas pequenas linhas você ligou três vezes pra eu tirar do nosso portal. Sabe eu antes de escrever naquele 30 de setembro de 2011, portanto já mais de 2 anos, eu falei com muitos ex-colegas seus da Malwee e de Seleção. Eu não tinha escrito besteira.

Agora outra vez você apela contra uma cidade e desta vez não tem como você dizer que não falou porque estava no ar na TV. Seu ego te traiu. Você desde a primeira entrevista estava incomodado com o que aconteceu aqui. Deveria estar mesmo, afinal tomaram de 4. Pois por xingamentos de torcedores fanáticos você não poderia estar incomodado, afinal você sabe que xingar, humilhar e esnobar jogadores adversários seus é o que você mais faz. Aí antes e depois do jogo você incitou a torcida de seu time contra os torcedores e o time daqui. Segundo o relato do Repórter Bruno Silva do Jornal Hoje, você xingou e ofendeu a torcida do Cascavel, inclusive ele um repórter, além de mandar os seguranças agredí-los depois do jogo.

Sabe Falcão será que vale a pena escrever? Será que vale a pena se manifestar sobre você? Para um ídolo, para um melhor do Mundo seu caráter é no mínimo duvidoso.

1 - Você é anti-ético e está traindo o grupo daí que te prestigiou. Jogando pelo Orlândia e contratando jogadores dele para jogarem em Sorocaba. Aliás fazendo propostas para dois do Cascavel (Fred e Rafinha) justamente antes das partidas de quartas de final. E ao que parece nem aí você está tão bem quisto assim, pois os ingressos ao Ginásio são de graça e num jogo decisivo sequer lotou.

2 - O time daqui inteiro, mais as viagens e despesas de estadia e refeições, custa menos do que você ganha e vocês passaram um sufoco. Veja o retrospecto dos jogos entre os dois. Aí tiveram de apelar.

3 - Você apelou na primeira jogada. Deu uma cotovelada no Issamu. Se fosse ao contrário ele seria expulso e você estaria ofendendo-o, lembra quando você agrediu o Edigleuson, ou aquele jogador da Espanha, ou aquele árbitro? Só falo de alguns mostrados na TV. Você agride e depois covardemente se faz de vitima e usa o espaço que eles não tem na mídia para atacá-los.

4 - Seu time levou um vareio aqui e levou aí também. Se o goleiro linha não desse um chute improvável e achasse um gol teria ficado feio hein? O Cascavel chutou duas na trave. O Guita foi o melhor jogador de seu time. Seu time jogou amedrontado, parecia ele o de salários baixos como você gosta sempre de falar em quadra para os adversários...

5 - Em um lance absolutamente normal, dito até pelo comentarista do jogo, seu time todo, comissão técnica, etc... invadiu a quadra para agredir o grupo do Cascavel. Aqui aconteceu isto Falcão? Aqui algum torcedor pegou pela camisa jogador que estava na quadra para cobrar lateral?

6 - O seu time chegou até aqui sem sua colaboração, apesar de seu ganho, afinal você ficou muito boa parte do campeonato encostado, não é?

7 - Aliás, você tem jogado tanto que quando esteve de frente com o goleiro e com chance de matar o jogo no tempo normal você perdeu e o comentarista sempre seu defensor chegou até dizer que o Fininho faria o gol com categoria. Talvez naquele meu primeiro comentário que você não gostou eu tenha errado em incluir o nome de seus filhos pequenos, mas, cá pra nós, será que eles ficarão felizes em saber o que você apronta que a Tv não mostra? Ainda sobre crianças, é esta formação do ofender companheiros de trabalho, uma cidade e o ganhar a qualquer custo que "suas escolinhas" ensinam?

Sabe Falcão para um ídolo. Para um cara que faz publicidade dos Correios e de uma marca famosa de Tênis, seus arroubos de impulsividade ou suas contorsões lamentosas, são extremamente negativas. Orlândia tem perto de 50 mil habitantes, Cascavel tem seis vezes mais que isto e merece respeito não só pela sua gente, mas pela capacidade de compra dos produtos que você propaga..

Quanto a aumentar o preço do ingresso quando você vem jogar aqui você deveria ficar feliz e não se lamentar. Quando o Palhaço é bom o Circo sempre aumenta o preço dos ingressos.



04/10/2013 14h44

Cascavel, a novela da vida real

Compartilhe


Maior torcida do mundo: são os do contra e está em Cascavel - Quando se fala que Cascavel é a capital mundial da autofagia muita gente não gosta. Mas é inevitável; tudo aqui é uma novela, muito complicado. Nunca vi tanto esforço para se jogar contra. Mérito e reconhecimento são dois vocábulos inexistentes no dicionário da cidade. Ninguém está nem aí com a valorização alheia. A grande maioria quer mais é que se exploda; e se der errado, melhor. É a torcida contra.

Resquícios da Gringolândia - Se as coisas aqui não acontecem dizem que é uma cidade de gringos, a Gringolândia. Que os gringos não deixam fazer nada. Daí fala-se que ninguém faz nada, que não tem evento, que o shopping é fraco, tem estádio, mas não tem jogo, o autódromo não tem corrida, o aeroporto não desce avião...

Caso 1: Aeroporto - Mas percebam como é difícil. Recuperam o aeroporto... Ah, mas as pedras foram roubadas da BR; a pista está no través do vento; a sala de embarque e desembarque não presta, não tem ILS.

Caso 2: Autódromo - Recupera-se o autódromo... Ah, mas a pista ficou ruim; tem muito bump; os banheiros não prestam; a torre de cronometragem não foi feita. Quem comprou os terrenos da frente não concorda com estacionamento de quem vai lá ver corridas.

Caso 3: Shopping - Daí vem um novo shopping. Compram a área, mas quando vão construir não pode, "porque vai prejudicar o meio ambiente"; afirmam que vai poluir o Lago. Só que os do contra não dizem que no entorno do Lago Municipal já tem mais de mil empresas instaladas, tem postos de gasolina, tem condomínios residenciais, tem as galerias pluviais que levam tudo que corre daquelas bandas da Avenida Brasil e das ruas dos bairros próximos, tudo pra dentro do Lago, depois que chove. Ah, isto "pode" porque já tinha.

Caso 4: Time de Futebol - deixaram o time de futebol da cidade cair da Série A para a 2a.divisão e em seguida para a terceira.Depois acabaram com ele. Dai surgiu um novo. Os que deixaram o outro cair, ou não ajudaram se manter, dizem que o novo é fake, que é de interesse de políticos. Dizem que não representa a cidade. Mas se todos os envolvidos são da cidade, como é isto?

Caso mais recente: Grenal - Conseguem um jogo. Descrença geral. Não vem. Como pode? E a saúde do Município? Povo 0 x 2 Prefeitura. Um time não quer, festa dos do contra. Só de fora da cidade já recebi mais de 100 pedidos para comprar ingressos. Mas daqui... Quando tem qualquer evento tipo corrida, shows, jogo, quem pode pagar para ajudar a patrocinar o evento, incentivar quem trouxe e bancou as contas, daí quer ingresso de graça. Ingresso não. Querem ingressos (no plural), e ainda Vips, quer mordomia sem dispor de nenhum tostão.

Graduação em sobrevivência a bombardeios - Meu DEUS! Quem sobrevive dirigindo ou realizando algo aqui em Cascavel poderá com certeza administrar o IRAQUE, sem nenhum problema. Vai pra lá graduado. O Félix Curi aqui seria da pré-escola.

Não estou avalizando o que é errado. Poderia ser tudo certinho e acontecer, mas aqui tudo é uma novela. Sempre tem uma dúvida, um diz que diz.

E podem começar a sentar o pau que eu to mais para Lutero que para César.



28/08/2013 07h52

Quem não dá assistência, abre concorrência

Compartilhe


Prefácio - Ao escrever o que se seguirá abaixo tenho plena convicção de que irei contrariar algumas pessoas, dentre elas, muitos amigos. Mas faz parte de como vejo a democracia com seu direito pétreo de livre manifestação de opinião, a favor ou contra algo que acontece. Com a licença dos vários amigos e conhecidos médicos, farei uso deste direito.

Aperte o cinto, os médicos sumiram - Devido à natureza do meu trabalho sou reconhecido em locais que frequento, e isso inclui consultas. Ultimamente, porém, mesmo conhecido e inclusive tendo no grupo das empresas em que trabalho um hospital, ainda sendo profissional da imprensa ? o que muitas vezes facilita o acesso às pessoas -, tenho tido dificuldades em ser atendido em algumas especialidades médicas.

"Unimédicos" - Recentemente tive problemas para tratar uma forte tosse, como também tive dificuldades para receber atendimento para verificar uma suspeita de alergia (no mesmo quadro de tosse) e, por último, não foi fácil nem mesmo para aferir uma alteração de pressão. De quais dificuldades estou falando? Não encontrar horário de médicos pelo plano de saúde através da UNIMED. E olha que com cobertura completa e valor bem completo também.

Direito do cidadão, dever do Estado - Embora esteja citando plano de saúde, gostaria de falar da Saúde como um sistema, incluindo público e privado. Os sintomas que eu tive, com certeza, são muito menores que o da maioria que procura o serviço médico público. E não é porque aconteceu comigo, agora, que eu tenha mudado de opinião. Por muitas oportunidades critiquei os problemas de nosso sistema de saúde. Sempre falo na TV ou no Rádio e até já escrevi que os governantes não respeitam quem os elege, não lhes dando o básico: saúde e educação. Governantes de todos os níveis: municipais, estaduais e federal. É uma lastima!

Globalização - Cito o meu caso apenas para exemplificar, me colocando outra vez no lugar daqueles menos favorecidos, que não têm os mesmos privilégios que eu, os acessos que tenho. Toda essa situação faz com que eu repudie as manifestações de grupos de médicos contra a IMPORTAÇÃO de outros médicos. Afinal, se podemos importar carros porque os nacionais não atendem nossos sonhos, nossa segurança, porque não protegem nossas vidas; são carroças, como disse o Presidente que abriu o País às importações; então porque, mal comparando, não podemos importar médicos para cuidar de quem não é cuidado por quem deveria fazê-lo?

Concorrência força qualidade - Claro que os médicos cubanos e espanhóis terão dificuldade com a língua, com os hábitos e o modo de vida de nossa população, mas, se os nossos não se interessam em estar nos locais mais longínquos, e, pior, nos grandes centros acabam privilegiando consultas particulares em detrimento de convênio, se não se interessam pelos salários pagos no serviço público, o que fazer? Restou viabilizar alternativas. Dentre as alternativas viabilizou-se trazer profissionais de fora, até mesmo para melhorar a "concorrência", similar o que aconteceu com os carros importados. Embora eu não concorde e penso ser um acinte a forma de pagar os médicos cubanos.

O melhor plano de saúde é ser atendido - E não estamos falando somente do famigerado SUS. Lembremos que o exemplo citado aqui acontece por conta de um destes convênios - diga-se de passagem, um convênio de uma União de Médicos - que deixam de atender, e por quê? Subentendo que privilegiando o particular.

Não é favor nenhum, é obrigação - Concordo que nossos médicos precisam ter um bom ganho para sustento de seu estilo de vida, sustento da família, enfim, para ter uma boa vida, afinal estudaram para isto. Mas cá pra nós, a maioria destes nossos médicos se formou no ensino de nossas universidades estaduais e federais. Ou seja, foram subsidiados pelos impostos pagos pela população e, salvo raras exceções, agora estão dando as costas justamente para a população mais carente e necessitada.

Quem não tem ideia melhor, copia - Devemos, sim, nos espelhar em projetos que dão certo. Que se copie o ensino de países mais avançados, que se copie seus modelos e políticas públicas. Se nos Estados Unidos e na Inglaterra é permitida a importação de médicos, por que não aqui também? Penso que copiar e adaptar à nossa realidade não fará nada mal à nossa Saúde especialmente se incorporarem a isto hospitais e centros de atendimento tão precários e em falta no Brasil.



Jorge Guirado
A frente da Catve, Jorge está desde 2004, mas essa história começou bem antes. Em 1979, o apresentador tem suas primeiras experiências em televisão com a implantação da TV Tarobá, emissora na qual teve o cargo de diretor geral por 21 anos, lá idealizou em 1994 e realizou até 2003 o Dia da Bondade em Cascavel, Londrina, Foz do Iguaçu e por último em Toledo.

Na filial da Band, criou e colocou no ar vários programas. Apresentou os Programas, Melhor da Rodada e Placar de Opiniões. Sua carreira na Band também inclui a criação e implantação da TV Tarobá de Londrina inaugurada em 1996, a qual dirigiu por sete anos.
As narrações de jogos na afiliada da BAND passam pelos Campeonatos Gaúcho e Paranaense de Futebol, Copa Libertadores da América, Chave Ouro, Sul americano de Seleções de Futsal e Liga Futsal.
Em grandes coberturas da Band, Jorge participou da equipe de produção nas Copas do Mundo de 1986, 1990 e 1994, e ainda, nas Olimpíadas de Los Angeles e Atlanta.
Jorge foi diretor de imagens durante eventos como Stock Car, Fórmula Truck, Carnaval do Rio de Janeiro e da Bahia, e em três etapas brasileiras do Mundial de Motovelocidade, imagens estas destinadas a Dorna TV, que distribui o sinal das corridas para 180 países.
Com serviços para a Band, SBT, Globo e Espn, durante 20 anos foi diretor de imagens dos Campeonatos Brasileiro de Futebol, Copa dos Campeões, Copa do Brasil, Libertadores da América, Pré-olímpico de Futebol, Liga Mundial de Voleibol e Copa América de Futebol realizada uma no Paraguai e outra na Bolívia.

Dirigiu também as 3 etapas da Fórmula INDY realizadas no Rio de Janeiro com transmissões para ABC e ESPN INT dos EUA, Band e SBT e o Panamericano de Basquetebol em Montevidéu no Uruguai.
Durante cinco anos dirigiu imagens da Fórmula 3 Sul americana para Espn Internacional na Argentina , Uruguai e Brasil, as etapas brasileiras da World Series e da WTCC, entre outras categorias do automobilismo nacional.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14




COPYRIGHT CATVE.TV | 2011 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS MOBILE READY